Malabares, saxofone e arte de rua: As aventuras de uma viajera pela América do Sul

Poe Maria Fernanda Romero e Cami Mochileira

Minas pela Estrada

Conheci Cami em uma festa de rua no carnaval de Recife e a identificação foi instantânea. Ela que já viajou até o fim do mundo e encontrou o seu amor na estrada precisava participar desse projeto! Nesse post ela vai contar um pouquinho pra gente como se descobriu viajando e como sua vida de mochileira mudou após ela encontrar a sua mochila gêmea.

Quem é a Camila?

Eu sou a Camila, mas me descobri sendo a Cami Mochileira. Tenho 25 anos, e saí para viajar aos 23, justo uma semana depois de receber meu diploma de bacharel em Psicologia. Qual seria o caminho tradicional? Buscar um trabalho na área, engatar um mestrado e seguir minha vida desejada de professora universitária. Só que não!

menina com nariz de palhaço e cavaquinho pedindo carona com suas mochilas em uma estrada do Equador
Cami Mochielira pedindo carona no Equador

Lista de desejos

Minha vida sempre foi marcada por viagens. Nasci do encontro de um pai carioca com uma mãe amazonense, que namoravam por cartas. Enfim, nos mudamos todos para o nordeste. Aqui cresci e aspirava, assistindo programas de viagens pela televisão, algum dia poder também viajar o mundo.

Escrevi aos 18 anos uma lista de desejos, a qual esqueci no fundo do baú. Um deles era “fazer um mochilão depois de terminar a faculdade”, esquecido no fundo do inconsciente, assim foi, esquecido da memória. Mas nada se perde… nada se cria, tudo se transforma.

Pé na estrada – o início de uma vida nômade

Viajei para Buenos Aires, sozinha, pois pedi muito que alguma amiga fosse comigo, sem sucesso, aceitei a realidade de viajar só (e com medo mesmo)! No avião, olhei pra janela e pude avistar as luzes da cidade de buenos aires, eu quis chorar, as luzes simbolizavam que finalmente… eu estava livre. Uma nova história começa.

menina fazendo trilha em uma montanha com lago bem esverdeado chamado Torres del Paine no Chile
Torres del Paine – Chile

A partir de então, me diverti muito na capital Argentina! Tudo era mágico, inclusive as pessoas. Utilizei o Couchsurfing como modo de me hospedar. Economizava em tudo! Eu não queria que meu sonho acabasse por falta de dinheiro, né? Mais tarde, fui à Córdoba. Ali aprendi que ou você aprende pelo amor ou pela dor.

Eu morei numa casa ocupação rodeada de malabaristas e punks. Oi? Sim! Ali estava eu. Todos trabalhavam na rua, e eu , a simples viajera. Bem, eu tive que me movimentar!

Fazer Dinheiro na estrada

Comecei a vender brigadeiros e assim, aprendi a mágica de vender na rua! Era muito divertido. Depois aprendi a fazer artesanato, e pelas primeiras vezes não mexi nas minhas economias e passei a viver do meu próprio trabalho. Comprei um saxofone com o que ganhei na rua. Aprendi malabares, trabalhei no semáforo e finalmente aprendi o que é viver de arte de rua! Um artista não pede esmola! Pede contribuição no chapéu!

menina de mochila atravessando a fronteira do Equador com a Colombia
Cami chegando na Colômbia

Com isto, me movi pela América do sul. Da Argentina até a Colombia (que até então seria meu destino “final”).

Mochila Gêmea

Conheci um amor no Peru, que virou o meu companheiro de estrada. Juntos, chegamos a Colombia de carona, e este também era um dos meus desejos da lista dos 18 anos. A carona nos permitiu viajar por muito mais tempo, e muito mais lentamente (recomendo)! Cruzamos a Amazônia, adotamos um cachorro no Pará e regressamos de volta à minha cidade, Natal.

casal de viajantes em praia do Equador
Cami e namorado no Equador

Mas a aventura não podia parar! Tínhamos que conhecer o fim do mundo! E mais uma vez descemos de carona até o sul do Brasil. Ganhamos de presente uma passagem de avião para o fim do mundo, e esta foi a minha última viagem. Agora, da cidade do fim do mundo torcendo para que este momento de pandemia não seja fim do mundo, espero ansiosamente embarcar para mais uma aventura do outro lado do oceano atlântico! Um novo capítulo vem aí.

Moral da história

Crie uma lista de desejos! Crie um artista em você! Crie a sua nova história. Ou melhor… transforme-se nisso viajando! O resto, a própria viagem se encarrega.

Menina malabarista em Machu Picchu
Machu Picchu – Peru

Nada se cria, nada se perde… tudo se transforma.

Como são as despedidas para quem vive em movimento?

Por Maria Fernanda Romero e Julia Mendonça

Minas pela Estrada

O Minas pela Estrada é um projeto que dá voz as mulheres que estão ganhando o mundo de diferentes maneiras. No post de hoje teremos um texto super sensível de uma viajante muito especial que conheci na Bahia. A Ju Mendonça, uma mineira que está na estada desde 2017 fazendo uma rota do Japão ao México, passando por Namíbia, Moçambique e outros cantos mágicos do mundo.

menina com vestido longo colorido em cima de tabetes tipicos do Oriente médico e turbante vermelho na cabeça

Kurdistão – Iran

Julia, uma exploradora sem pré-definições

Eu acho que a maioria das pessoas se perdem com essa pergunta. Falar sobre nós mesmos é uma tarefa muito difícil. Estou em um processo de exploração de mim mesma, e essa palavra “explorar” já significa muito sobre mim.
Julia é uma exploradora do mundo, exploradora de sentimentos, culturas, religiões, pessoas e emoções. Como viajante do mundo, eu não poderia viver de outra maneira. Eu preciso estar aberta a tudo o que me chega no percurso dos meus caminhos. E quase sempre eu estou…aceito e recebo tudo com gratidão.
Falar brevemente de mim não é fácil, porque não sou um relato único, sou um todo – forte, apaixonada, curiosa e, acima de tudo, muito viva. E assim vivo, para SER VIVO.

julia sentada em um tapete fumando o classico shisha, ou narguile, arabe

Shiraz- Iran

“Hoje resolvi escrever sobre as despedidas”

Sempre quando começo a pensar em escrever sobre alguma coisa que vivi nesses últimos 3 anos viajando pelo mundo, fico confusa em como organizar uma ideia, muitas vezes ainda nem compreendida por mim mesma, mas hoje resolvi escrever sobre as despedidas, mesmo que agora não seja muito bem a hora delas. Agora é hora de presença e não de partida, e um viajante de longo prazo começa a entender isso na estrada mesmo, que as vezes é hora de ficar.

Uns dias, umas semanas, uns meses. Por um amor, por um amigo ou pelo próprio corpo que pede pra ficar, e o coração é quem escolhe por quanto tempo.
Mas a gente sabe que em algum momento vai partir, já que a estrada sempre nos chama, e a parte mais difícil de uma viagem de longo prazo é na verdade partir. No caso, sempre partir.

Júlia com alguns jovens de todas as idades e suas roupas coloridas em Dar es Salaam
Moneia- Moçambique


A gente pensa que um dia vai se acostumar com a despedida mas as vezes parece que ela cria um buraco. Um interessante buraco preenchido a cada partida por sentimentos diferentes. Sentimentos confusos…que as vezes alivia, as vezes aperta o peito, e as vezes a gente sente a dor da partida no estômago mesmo.

moto com 4 passageiros na india
Moto em Delhi – Índia, sempre cabe mais um

Depende de qual situação a gente está deixando pra trás e o que vem em seguida. Quem vive na estrada sabe disso, sempre vai ter algo novo a explorar, um pico pra subir, uma trilha pra fazer, um país interessante e uma outra família pra nos receber.

Somos curiosos, queremos sempre bater de frente com o novo, temos muitas perguntas e poucas respostas. Porém, logo um viajante percebe que a viagem por si só não dá as respostas prontas. É preciso ver as respostas em cada movimento, e talvez por isso a gente sempre se move.

duas indianas com roupas tipicas no deserto de Thar
Deserto de Thar- India


As vezes partimos com a sensação entalada na garganta mesmo, um choro não chorado, e acabamos por mergulhar nos nossos próprios sentimentos mais profundos de desapego e gratidão. Despedir quase sempre é difícil, e as vezes é necessário se despir também, tirar tudo que tá no corpo e na alma e esvaziar-se.
Sair do lugar assim vazio, se REconhecer no vazio, e despertar pra uma nova trajetória que sempre existirá, já que a estrada nos grita por todos os lados, a “estrada, essa desgraçada”.

As vezes eu quero que ela me deixa em paz, mas ela sempre foi a maior concorrência dos meus grandes amores e endereço fixo

Praga: o anti-clichê Europeu

Por: Maria Fernanda Romero

Antes de entrar no trem para a República Tcheca anotei na minha agenda palavras e frases básicas da língua tcheca e também os endereços dos lugares em que ia ficar. Acho que foi a melhor coisa que eu fiz e o único conselho que eu dou àqueles que vão para países em que não entendem absolutamente nada da língua. Anote! Porque, na pior situação, sempre tem a mímica e isso não tem erro.

Além disso, uma coisa que aconteceu muito comigo foi a pessoa estar na maior boa vontade, lascando as informações em tcheco e eu sem fazer a menor ideia do que estava acontecendo. “Nerozumím”: Eu não tô entendendo. Pelo menos foi isso que eu anotei… nem sempre eles paravam de falar ou trocavam o idioma, mas muitas vezes se esforçaram mais e é aí que entra a mímica. “Ahoj” é a saudação e também a despedida. “Prosím”, por favor, “Děkuji”, obrigado. Com essas palavras sobrevivi bem na República Tcheca.

O QUE FAZER EM PRAGA

Praga é um clichê europeu. Um rio que cruza a cidade (o Vltava), a ponte medieval, a parte velha, a parte “nova”, a arquitetura, o castelo – ou o conjunto de castelos, no caso de Praga. A cidade é linda e colorida. Tem um ar meio rebelde e leis mais brandas, porém ao mesmo tempo contraditórias. Por exemplo, não se pode comprar cigarros depois das 22h, mas é possível comprar tabaco. E também souvenirs de maconha com até 0,2% de THC.** (A maconha é descriminalizada no país, mas a venda de qualquer quantia de maconha ainda é um ato criminal e pode render até um ano na cadeia. O porte da droga não é considerado crime e o seu cultivo também é liberado, desde que não ultrapasse o valor máximo de posse, que é de 5 plantas. O uso médico de maconha com receita é permitìdo e também a venda de souvenirs com até 2% de THC).

Rio que divide a cidade de Praga, um barco passando por debaixo da ponte,  e o Castelo de fundo

Em Praga é possível ir para praticamente qualquer lugar a pé. Em Staré Město (Cidade Velha em português), fica – ou ficava -, desde 1410, um dos relógios mais importantes do mundo. O Relógio Astronômico Orloj. Tive sorte, porque alguns dias depois da minha visita, ele foi recolhido para manutenção. Espero que volte logo. Ele é tão especial, que, segundo a lenda, os vereadores de Praga cegaram o relojoeiro que o fabricou para que ele não pudesse fabricar outro igual. Lendas à parte, o relógio simboliza muitas coisas: As estátuas simbolizam a morte, o medo das invasões na cidade, o medo da fome e da pobreza e a vaidade. A bola de ouro representa o sol e a sua posição diz em qual parte do dia estamos. Ela indica também em que signo o sol está, já o ponteiro da lua indica em que signo e em que fase ela está.

A Praça Old Town também é onde está localizada a igreja gótica de Nossa Senhora de Týn, com torres desiguais que a fazem parecer um castelo. No centro da cidade velha, entretanto, tudo é muito caro. Os preços dos restaurantes, dos bares e das casas de câmbio (lá a moeda é a coroa tcheca) não são muito bons.

Por outro lado, tem outras igrejas belíssimas, tanto católicas, como protestantes e a fundação do Clementinum, um conjunto arquitetônico que abriga a Biblioteca Nacional. Outras construções que se encontram no centro são a Universidade Charles, diversos museus como o Mucha e o Rudolfinum, que abriga uma sala de concertos, uma pinacoteca e um museu e que também já foi sede da Assembléia Nacional.

telhados vermelhos e verdes e montanhas no horizonte de Praga

Praga fica bem no meio da região da Boêmia, no centro da Europa e não é coincidência que o nome dessa região tenha dado origem à palavra “boêmio”. Os tchecos criaram as melhores cervejas do mundo, como a Pilsner Urquell, e são até hoje os maiores consumidores de cerveja do mundo. Mel e leite também são produtos locais muito importantes para o país.

cervejas de Praga

Assim como em muitas outras cidades da Europa, muitas empresas oferecem um Free Walking Tour em Praga. Eu fiz com a empresa Sandermans e gostei muito. Aprendi muitas curiosidades sobre a região, além de ir conhecendo os principais pontos turísticos da cidade. Uma das histórias que o guia nos contou foi que o atual presidente do país, Milos Zeman, odeia vegetarianos e jornalistas. Não sei se é verdade, mas espero que não.

Atravessando o rio Vltava pela ponte Charles chega-se ao Malá Strana, onde fica o castelo. Há outras pontes que ligam a parte velha de Praga à parte mais nova, porém a ponte Charles é a mais especial. Ela foi construída por ordem do rei Charles e sua sua construção durou 45 anos, até 1402. No solstício de verão, quem está abaixo da Torre da ponte vê o sol passar e se pôr exatamente atrás da Catedral de São Vito, a catedral do castelo, mas não há registros de que isso seja proposital.

castelo de Praga
Castelo de Praga

O conjunto de castelos de Praga é o maior do mundo. Lá ficam o Antigo Palácio Real, a Galeria Nacional de Praga, algumas prisões medievais e a Catedral de São Vito, que demorou 600 para ser construída e que é um dos símbolos da cidade.

O nosso guia do Free Walking Tour nos contou que Mick Jagger e os Rolling Stones colaboraram com a manutenção do conjunto: Após a queda do comunismo, a banda foi convidada para tocar em Praga e teria patrocinado uma reforma para melhorar a iluminação do castelo. O cantor, que gostava muito da cidade, teria ficado comovido com as dificuldades do país pós-comunismo e esse foi o modo que ele encontrou de ajudar. Provavelmente é uma lenda, mas poderia ser verdade.

Outra estrela que deixou marcas na cidade foi John Lennon. Ainda no bairro de Malá Strana fica um muro em homenagem ao artista. Hoje em dia é mais uma parede com grafite como tantas outras, porém, na década de 80, ele representava a indignação política da população e foi usada como protesto a favor da liberdade de expressão.

horizonte de Praga com telhados vermelhos e azúis

O bairro judeu também é um símbolo de resistência da cidade. Os judeus começaram a ocupar as áreas do subúrbio de Praga ainda na Idade Média. Eles sempre sofreram muita opressão e nem podiam frequentar o centro da cidade. Na Segunda Guerra Mundial, infelizmente, muitos judeus dessa região foram mortos, mas o bairro ainda está preservado para contar essa história.

A sinagoga Pinkas, construída em 1535, é um dos lugares onde mais se pode aprender sobre a cultura judaica na cidade, assim como a sinagoga Staranová, que é a Sinagoga mais antiga da Europa, sobrevivente de vários ataques, incêndios e guerras. No bairro, muitas pessoas também visitam o cemitério antigo, que foi, por mais de 300 anos, o único lugar onde os judeus podiam enterrar seus mortos.

COMER EM PRAGA

Como já disse, a cerveja em todo o país é muito boa, então o que não falta na cidade são bares e pubs com  bons preços e boas bebidas. Além disso, a comida é muito boa. Depois do Trdelnik, um doce que é uma massa assada em uma espécie de churrasqueira, coberto com açúcar, canela, chocolate, doce de leite ou geléias, meu prato preferido foi o Smažený sýr: um queijo empanado frito maravilhoso.

Apesar de ter saído de lá um pouco confusa com tantas ironias e coincidências, enxerguei Praga como uma cidade charmosa, receptiva e bastante intensa.

Cesky Krumlov: Vilarejo medieval no sul da Bohemia

Por Maria Fernanda Romero
Revisão Clara Porta Guimarães

Cesky Krumlov é uma pequena cidade medieval no sul da República Tcheca, hoje patrimônio da UNESCO. Cesky era o prefixo para todas as cidades tchecas na época e significa “bohemia” em Português. Krumlov significa “contornada pelo rio”, fazendo referência à sua posição geográfica que é, de fato, no meio do rio Vltava (Moldava em português).

O QUE FAZER EM CESKY KRUMLOV

O principal ponto turístico da cidade é o seu Castelo, o segundo maior do país. Construído pela família Rosenberg, além de imenso, ele tem charmosos jardins divididos em duas partes, uma inglesa e uma francesa. Há também um urso vivendo lá. De verdade. E eu não consegui descobrir o motivo.

ceu cinza e casas coloridas com telhados cheio de neve

Não há carros no centro da cidade e há muitas construções conservadas que datam do século XVI, apesar das mudanças significativas que aconteceram por lá nos últimos trinta anos, desde que a República Tcheca deixou de ser comunista.

Um dos motivos de estar tão bem conservada é que, apesar das guerras que ocorreram no país, Cesky Krumlov nunca foi atingida por bombas, nem foi palco de um conflito direto. É uma pequena e tranquila cidade medieval, que conserva muito bem os estilos góticos e renascentistas.

Cesky Krumlov é encantadora, guarda muita história, cultura tcheca e cerveja boa. O que mais me impressionou foi como a maioria dos lugares, mesmo os restaurantes e o hostel, têm um porão, o vão entre o chão e o teto enorme, e o formato de um pequeno castelo. A sensação é de estar em uma outra época. Gostei muito do Free Walking Tour que fiz lá. O guia era divertido e contou muitas curiosidades e lendas sobre a cidade.

ceu cinza, montanha, a torre do castelo de Cesky Krumlov e telhados com neve

COMIDA EM CESKY KRUMLOV

A culinária tcheca é marcada principalmente pelas carnes, mas o que eu mais gostei foi a sobremesa. O Trdelnik ganhou meu coração e me acompanhou todos os dias na República Tcheca. É uma massa assada em uma espécie de churrasqueira, coberta com açúcar, canela. Tem também outras opções de cobertura, como chocolate, doce de leite e geléias.

Jardins do castelo de cesky krumlov cheio de neve

Chegar em Cesky Krumlov não é tão fácil, mas isso a torna mais especial. Têm alguns trens que saem de lá para Ceske Budejovice, há 27km de distância. Por ônibus é possível chegar de Praga, a capital tcheca e das cidades austriacas Salzburg e Linz.

Muitas vezes compartilhei momentos com pessoas na República Tcheca, no qual eu não entendia uma palavra. Fui em alguns jantares, assisti um jogo de hóquei e também compartilhei algumas mesas no bar. Eu não entendia uma palavram mas percebi que não era necessário para entender as boas intenções, compartilhar os bons momentos e também pedir ajuda e ser ajudada. A boa vontade e o que vem de dentro é o que importa.

Essas conexões que acontecem pela  estrada me ensinam muito. Me mostram que as pessoas estão ligadas por emoções, não importa da onde elas sejam. As diferenças culturais são muitas de um país para o outro, mas os sentimentos são universais.

rodoviária de cesky krumlov com vários homens e todo coberto de neve

Outros destinos na República Tcheca você pode encontrar no fórum dos mochileiros.

Munique: A cinza e viva capital da Baviera

Por Maria Fernanda Romero

ALEMANHA: PRIMEIROS CONTATOS

Estudei a vida toda em um colégio alemão e no colegial fiz um intercâmbio para Alemanha. As lembranças que vêm à minha cabeça quando penso no país são muitas primeiras vezes. Primeira vez na Europa, primeiro intercâmbio, primeira tatuagem, primeira cerveja (Schöfferhofer de laranja) e também o primeiro e o único país em que fui furtada na Europa. Tudo foi incrível. Mas, ao mesmo tempo, eu tinha um receio de voltar. Não é o país que mais me emociona e faz meu coração vibrar quando me lembro. Mas é o país estrangeiro onde mais aprendi coisas. Bati muito a cabeça para entender que os alemães eram diferentes e eu que tinha que me adaptar às regras deles.

Aberta a reconhecer a Alemanha, chego em Munique (também conhecida como Munich pelos falantes do inglês ou como München pelos alemães) encantada com a vista dos alpes cobertos de neve que tenho do avião. O piloto diz que faz 1º C e neva. Eu estava muito ansiosa para ver a neve, mas assim que o S-Bahn saiu da estação do aeroporto ela já tinha sumido. O frio não.

“S-Bahn” porque os alemães são high-techs e têm vários tipos de transporte público. O S-Bahn seria um trem de menor circulação, mas é diferente do “Zug”, que é o trem de fato. O “U-Bahn” é o metrô e o “Tram” é um trenzinho ao ar livre, que poderia corresponder ao bonde. Claro que também tem o busão! Esse é fácil: “Bus”.

IMG_2698 (1)
Vista panorâmica de Munique

A Munique que morava na minha memória era um pouco assustadora. Muitos punks, bêbados, pessoas estranhas que te abordam na rua com um alemão, que nem  na época que eu estudava alemão, muito menos agora (e acho que nem se eu tivesse estudado por 30 anos) eu entenderia. Ela também era cinza, nebulosa e um pouco triste. Com certeza essa lembrança dela ser triste tem a ver com o fato de que, na época em que eu fui para lá pela primeira vez, eu conheci o Campo de Concentração de Dachau, que fica lá perto, e não tem como ver beleza e alegria depois de pensar em tantas mortes.

O QUE FAZER EM MUNIQUE

O passeio em Munique começa pelo centro histórico. Lá tem duas praças importantes. A Karlsplatz, onde podemos entrar pela Karlstor, uma das entradas da cidade quando ela era cercada por uma muralha medieval, e a Marienplatz, onde fica Igreja de St. Peter e as Altes Rathaus e Neues Rathaus, velha e nova prefeitura em português. O relógio da nova prefeitura possui um carrilhão de bonecos e todos os dias, em alguns horários, eles saem para uma apresentação animada.

IMG_2665 (1)

Entre as duas praças fica a rua mais comercial da cidade que chama Kaufingerstrasse. Ainda no centro histórico fica a Frauenkirche, a maior Igreja da Baviera. Assim como a Igreja de St. Peter, merece ser conhecidas. As torres verdes da Frauenkirche podem ser vistas de toda a cidade, nenhuma construção atrapalha a sua vista. Ainda no centro, está localizado o Viktualienmarkt, um antigo mercado público da cidade,  onde podemos encontrar pães, queijos, frutas típicas alemãs e todo tipo de alimento de qualidade.

Do centro é possível caminhar até a Hofbräuhaus, uma das mais antigas cervejarias alemãs, fundada em 1589. Na época, fabricava a cerveja do Duque da Bavária, somente 300 anos depois foi aberta ao público. Além da cerveja e dos pratos mais típicos e deliciosos da Alemanha, também há um show com as tradicionais bandinhas históricas.

uma das mais antigas cervejarias alemãs, fundada em 1589. No início ela fabricava a cerveja do Duque da Baviera e somente 300 anos depois foi aberta ao público. Além da cerveja e dos pratos mais típicos e deliciosos da Alemanha, lá também há um show com as tradicionais bandinhas tipícas.

IMG_2669 (1)
Hofgarten

Se for verão e o dia for longo é possível fazer muito mais coisas em Munique, mas no inverno os dias acabam cedo na Europa, então talvez a continuação do passeio deva ser feita no dia seguinte.

Partindo da cervejaria dá para ir até a Odeonsplatz, o lugar onde Hitler discursava e também onde foi preso. Lá também fica o Residenz, o palácio que foi residência oficial dos duques e reis da Baviera e a Ópera de Munique. Seguindo em frente, pela Leopoldstrasse, uma avenida com muitos bares e restaurantes você encontra o Siegestor, grande arco que separa as avenidas Leopoldstrasse e Ludwigstrasse. Ele também é comparado ao Arco do Triunfo, de Paris.

Virando à direita na Odeonsplatz, encontra-se o lindo jardim Hofgarten. Atravessando esse jardim, chega-se no Englischer Garten, um dos maiores parques urbanos do mundo. Ele também pode ser considerado a praia de Munique e, no verão, é muito comum encontrar gente tomando sol pelada por lá. Além disso, durante o ano todo, há surfistas no parque, já que é possível surfar nas ondas formadas pelo rio Eisbach.

IMG_2678 (1)
Englischer Garten

O parque tem 6 biergartens, que são como jardins para tomar cerveja, comer e conversar. O maior do parque, e também de toda cidade é a Chinesischer Turm, ou Torre Chinesa. O biergarten tem capacidade para 7 mil pessoas sentadas. Além de cerveja, é possível encontrar o glühwein por toda a cidade, um vinho quente com especiarias, que pode ser comparado ao nosso quentão.

IMG_2700
Chinesischer Turm

Para outro dia em Munique, O Nymphenburg Schloss, ou Palácio de Nymphenburg, é um bom plano. Ele foi construído como residência de verão para os duques da Baviera e é uma importante construção nos estilos barroco e rococó. Os jardins do palácio são enormes e tem até um jardim botânico.

O Olympiapark também é uma ótima opção. Construído para os Jogos Olímpicos de 1972, é uma área verde com um lago e uma vegetação muito bem cuidada. Os Jogos Olímpicos de 1972, infelizmente , são lembrados pelo atentado no qual oito terroristas palestinos invadiram o alojamento de Israel e mataram dois atletas. Por esse motivo, há uma homenagem às vítimas no Parque, que também serve de convite à reflexão, em um país que foi palco de tantas guerras e mortes.

IMG_2839 (1)
Nymphenburg Schloss

Entretanto, o espaço público também é usado para prática de esportes e diversos eventos culturais. No Olympiapark também é possível subir na Fernsehturm, a maior torre de televisão da cidade com 291 metros. Perto do parque fica o museu da BMW e um pouco afastado da cidade fica o estádio do grande Bayern München, o Allianz Arena. Para quem gosta de futebol, vale muito a pena visitar.

Para engenheiros, amantes de pesquisas sobre energia, curiosos sobre o futuro e até para crianças, recomendo o Deutsches Museum, um museu de ciência e tecnologia, com itens históricos sobre navegação, aviação e outras formas de transporte e, ao mesmo tempo, um incrível acervo sobre a questão do uso de energia consciente e impactos ambientais. O museu abre todos os dias das 9h às 17h e em 2017 a entrada custava 11€.

DCIM100GOPRO
Olympiapark

BATE-VOLTA DE MUNIQUE

Há 3h de Munique, na cidade de Füssen, divisa com a Áustria, fica o Schloss Neuschwanstein (em português Castelo Novo Cisne de Pedra). O castelo do século XIX é a inspiração para o Castelo da Cinderela, símbolo da Disney. A natureza de Füssen também me encantou muito. Lagos lindos cobertos de neve. O melhor jeito de chegar na cidade é com Bayern ticket. Ele custa 20 euros para uma pessoa, porém até 5 pessoas podem usar por mais 5 euros cada uma. Ele tem algumas restrições de horário, mas pode ser usado por 1 dia em todo estado da Baviera até Salzburg, na Áustria.

A Munique de hoje não correspondia com a das minhas lembranças. Apesar de continuar cinza, fria e chuvosa, quando o sol aparecia ele era incrível. A natureza da cidade é única e rara. Muita cerveja boa, festas e comida típica alemã. Recomendo comer as batatas de qualquer tipo e para quem come carne, os pratos com Schnitzel.

Munique tem bastante idosos nas ruas,entretanto tem também muitas festas. Além da famosa Oktoberfest, a festa da cerveja em outubro, há várias festas em locais fechados, principalmente na rua Friedenstrasse, em uma praça atrás do número 10. Lá há vários clubes e festas com todos os estilos de música e que vão até o dia seguinte.

IMG_2939
Füssen

Apesar de não ver mais loucos nas madrugadas alemãs, ainda vi muitas pessoas gritando palavras aleatórias, que já nem me esforço para entender. Eles são sempre sérios e corretos. Isso me incomodava. Agora não mais. O trânsito é ótimo e tudo funciona. As pessoas realmente esperam, em todos os horários, o farol fechar para atravessar. As ciclovias me confundem. Elas são cinzas, da mesma cor da calçada e do asfalto e até do céu… Às vezes andava na ciclovia e me assustava com alguma buzina de bicicleta furiosa.

Os prédios também seguem um padrão de cor-de-burro-quando-foge e de arquitetura em geral. Até as construções modernas e de grandes empresas, como MC Donald´s e Starbucks precisam imitar um estilo barroco alemão.

Apesar de curtir a minha experiência em Munique e principalmente as paisagens exóticas, fui novamente furtada na Alemanha. Na primeira vez tinha sido em Berlim, dessa vez foi em Munique. Mas diferente da outra vez, a polícia alemã rígida e competente, até me deu uma passagem de trem.

IMG_2995
Schloss Neuschwanstein

Saí da Alemanha e concluí que visitar um lugar novamente é como reler um livro. Você nota mudanças no lugar e no contexto, mas principalmente nota mudanças em si mesmo. Munique talvez não tenha mudado tanto, mas todas as experiências que temos tem um pouco a ver com o que somos e o que estamos sentindo naquele momento. Aquela Alemanha brava e assustadora, cinza e triste da qual me lembrava agora é uma Alemanha correta e organizada, no limite, beira ao caos. Cinza, mas também viva.

Lisboa me trouxe a certeza que Portugal tem muito do Brasil (e vice-versa)

Por Maria Fernanda Romero
Revisão Clara Porta Guimarães

O QUE FAZER EM LISBOA

Lisboa, desorganizada e perfeitinha. Bairros estreitos, beira-mar e beira-rio, má sinalização, transporte público confuso e funcionários públicos que não estão dispostos a ajudar. Já estive algumas vezes em Lisboa e quanto mais a amo, mais a comparo com o Brasil, principalmente com o Rio de Janeiro. E não é que ela tem até uma versão do Cristo?

Lisboa precisa de uns 3 dias para ser conhecida e seus arredores, Sintra e Cascais, também merecem alguns dias para uma visita. O primeiro dia em Lisboa pode ser dedicado ao centro histórico, começando na Praça do Comércio que fica na beira do Rio Tejo e tem uma vista linda para a ponte 25 de Abril.

Barco em primeiro plano no rio tejo e ponte 25 de abril no fundo, na capital portuguesa, Lisboa
Lisboa

Depois do arco da Rua Augusta fica a Baixa Lisboa com lojas e restaurantes bem turísticos. Ali perto também fica o Elevador de Santa Justa, que é bonito, mas, apesar de ser um dos símbolos da cidade, não tem nada demais. Vale a pena passar por ele, porém não é imperdível. Continuando a caminhada pela a Baixa Augusta chegamos ao Rossio.

O lugar, que mais gostei do Rossio foi a Casa do Alentejo. Antigamente cada região de Portugal tinha uma casa que funcionava como uma espécie de embaixada dessa região. Atualmente, as atividades na Casa do Alentejo incluem apresentações de livros, filmes, fotografias, saraus, expressões de arte em geral que representam e preservam a cultura alentejana, além da sua gastronomia, já que dentro da Casa tem um restaurante.

O bairro Mouraria é um bairro típico português. Lá é possível assistir o fado, ver e beber em tabernas a ginjinha, típica cachaça portuguesa feita com uma variação da nossa cereja. É possível também comer comida típica e barata. Fui ao restaurante “O Triguerinho” e achei o custo benefício excelente, além da porção ser bem servida.

Ao lado da Mouraria fica um dos bairros mais antigos de Lisboa, o Alfama. Ruas estreitas, portas pequenas, bonde e a Catedral da Sé caracterizam esse bairro. Assim como grande parte de Lisboa, colorida. As casas e os bondes amarelos em contraste com o azul do mar e do rio.

IMG_2156

A Catedral da Sé de Lisboa é a igreja mais antiga e importante da cidade. Sua construção data do século XII e seu estilo predominante é o românico. Seu nome completo é Santa Maria Maior. É possível visitar o claustro e tesouro da catedral, ambos por 2,50 euros. A catedral fecha às 17h no inverno e às 18h no verão.

Catedral da Sé, Augusta, cachaça. As semelhanças com o Brasil estão por toda parte, mas isso não é nem o começo! A cidade tem mais de 20 miradouros com vistas incríveis. Um deles fica no bairro de Alfama, o Miradouro das Portas do Sol e é o lugar ideal para ver o pôr do sol, apreciar a vista e curtir um pouco a cidade.

Subindo ainda mais por Alfama fica o Castelo de São Jorge que foi restaurado após o terremoto que destruiu praticamente toda a cidade em 1755. O castelo fica aberto das 9h às 18h, no inverno e até às 21h no verão. A entrada custa 8,50 euros.  Estudantes, crianças e idosos têm desconto.

casas coloridas e o oceano de Lisboa ao fundo

No segundo dia eu recomendo começar o passeio no Cais do Sodré, outro lugar ótimo para curtir a cidade, descansar da caminhada e apreciar a vista. Ao lado do cais fica o Mercado da Ribeira, ou Time Out Market. Lá tem comidas maravilhosas e, como todo mercadão, frutas típicas da região. Entretanto, o preço não é tão baixo, o mercado está bastante gourmetizado.

Subindo as vielas em direção aos bairros Chiado e Alto fica outro miradouro famoso, o miradouro de Santa Catarina. O Chiado é um bairro com cafés e comércios, principalmente na Rua Garrett. É um bairro muito presente na literatura e assim como seu vizinho, o bairro Alto, é boêmio e tem uma vida noturna ativa e cerveja barata.

Um pouco afastado do centro e de todos os outros pontos turísticos fica o bairro de Belém. As caravelas do descobrimento conduzidas Pedro Álvares Cabral, assim como as de Vasco da Gama saíram de Belém. Por isso, lá fica o Padrão dos Descobrimentos, um monumento em forma de caravela. No chão tem um mapa-múndi destacando todos os lugares que foram colônias portuguesas. Lá está destacada, por exemplo, a cidade Cananeia como primeira cidade do Brasil.

bonde subindo a ladeira em Lisboa

Ao lado, a Torre de Belém, que na verdade era um forte.  Ela é hoje um patrimônio Cultural da Unesco. A torre também serviu para coroa portuguesa guardar suas riquezas. A visita custa 10 euros, mas é possível comprar um ingresso que dá direito a uma visita a ela ao Mosteiro do Jerônimos e ao Museu de Arqueologia por 21 euros.

Dentro do Mosteiro dos Jerônimos, uma construção que demorou quase um século para ficar pronta, fica a Igreja de Santa Maria de Belém, uma das mais bonitas que eu já vi na Europa. Ela é muito ampla e seus vitrais coloridos iluminam a Igreja deixando-a mais clara que o tradicional.

torre de belem no oceano em Lisboa  e o sol se pondo no fundo
Torre de Belém

Lá dentro do mosteiro estão também os túmulos de Vasco da Gama e de Fernando Pessoa, um dos maiores, quiçá o maior poeta português. Ler sua poesia é uma forma de entender e sentir o que foi Lisboa no passado.

No bairro de Belém também estão os museus dos Coches, de Arqueologia e de Marinha, entre outros. Mas vale a pena ressaltar que praticamente nenhum museu da cidade abre às segundas. Tem mais essa semelhança com o Brasil: segunda-feira é um dia morto em todo Portugal.

arco mostrando o mosteiro dos jerônimos
Mosteiro dos Jerônimos

É de Belém também que vêm os famosos pastéis de Belém. Precisamente, foi na Antiga Confeitaria de Belém que foi inventada a receita secreta das freiras, mas as outras confeitarias de Belém também oferecem o pastel por um preço mais em conta. Em Belém também é possível comer um arroz com bacalhau bem gostoso. O segredo é pedir dicas de restaurantes para os moradores e para os donos de comércio, por exemplo.

A locomoção em Lisboa é um pouco complicada. Lá tem os trens (comboio), metrô, ônibus e bonde. Para entender melhor os horários sugiro consultar o aplicativo da Via Verde ou o site da CP (Comboios de Portugal).

Se esse post sobre Lisboa não te fez lembrar do Brasil, você precisa arrumar as malas agora mesmo e ir visitar a capital de Portugal.

Pedra da Gávea é sobre como superar a si mesmo

Por Maria Fernanda Romero

COMO CHEGAR NA PEDRA DA GÁVEA

A Pedra da Gávea, localizada no Rio de Janeiro, na Barra da Tijuca, foi assim batizada pelo capitão português Gaspar de Lemos, por causa da sua semelhança com o cesto da gávea, o mirante colocado no lugar mais alto da caravela. Com 842m de altitude é o maior bloco de pedra a beira mar do planeta.
O acesso para a pedra é no final da Estrada do Sorimã. A trilha é muito difícil e tem várias etapas e pontos turísticos. Logo no começo tem uma cachoeira, depois o caminho fica cada vez mais íngreme. É preciso escalar um trecho de pedras e também escalar a carrasqueira, de aproximadamente 30m. Essa parte é extremamente perigosa e existem até caso de mortes.
pedra-da-gavea-4
As quase 3h de trilhas são cansativas e é muito intenso. O coração acelera, a respiração complica, é um momento de contato consigo e com a sua própria força. É preciso concentração e calma. Subir a carrasqueira é o maior desafio. É a hora que você está no limite da vida e percebe como esta pode ser frágil. É a hora de refletir sobre quem você é e do que você é capaz.

O MAIOR DESAFIO

Durante a subida da carrasqueira, olhar para cima é desestimulante, pois parece que você sobe, sobe, sobe e ainda falta muito, olhar para baixo é magnifico. A vista do Rio de Janeiro, e de toda imensidão do oceano. Ao mesmo tempo pode dar medo.
pedra-gavea-3
Depois de superar seus próprio limites, chegar ao cume é a sensação mais gratificante que existe. Para o corpo e para a alma. No horizonte o mar se mistura com o céu e você vira um grão de areia. Compreender que a vida é frágil e que é necessário força e vontade para realizar os sonhos foi o meu maior aprendizado.
pedra-gavea-2