COMO VIAJAR SEM PAGAR HOSPEDAGEM?

Por Maria Fernanda Romero

Não pagar aluguel ou hospedagem tem um peso gigante no orçamento mensal e é um dos fatores que me permite ficar na estrada por longos períodos. Por isso resolvi fazer esse post com dicas e todas as possibilidades para se hospedar de graça em qualquer lugar do mundo.

vale com rio em baixo cortando as montanhas e o pôr- do- sol laranja iluminando o verde
Parque Nacional Peneda-Gêres

Couchsurfing

A primeira opção para se hospedar de graça é o Couchsurfing, um aplicativo que conecta os viajantes com locais que podem recebê-los em suas casas. O couchsurfing é uma experiência que vai muito além da economia, é uma forma de aprender e se conectar com a rotina do lugar e das pessoas que moram ali.

Apesar do nome do aplicativo traduzido ser “surfando por sofás”, muitas pessoas oferecem quarto privados para receber os viajantes. O aplicativo também promove eventos e encontros Além do aplicativo existem vários grupos de couch no facebook.

Home Exchange

Um plataforma onde você cadastra a sua casa para receber viajantes e pode se hospedar na casa de outras pessoas. A cada viajante recebido você ganha pontos que são usados para se hospedar na casa de outras pessoas.

flores na motanha com tons de roxo, verde e amarelo.
Pico Ruivo, Madeira, Portugal

House Sitting

Essa opção se trata de cuidar da casa de alguém que foi viajar e em troca viver por lá, como se fosse sua casa, por um tempo! Fiz house sitting assim que cheguei em Barcelona. Morei em um apartamento lindo em Gràcia em troca de cuidar das gatinhas e das plantas enquanto a dona estava no Brasil. Na época nem conhecia o termo house sitting e achei a oportunidade pelo facebook, mas já ouvi falar do site TrustedHousesitters

Troca de trabalho por hospedagem

Acredito que seja a forma mais conhecida de se hospedar de graça. É muito popular principalmente em hostéis, mas cada vez mais projetos relacionados com permacultura e bioconstrução estão buscando voluntários. Alguns projetos oferecem comida também o que reduzem o custo da viagem a quase zero. As plataformas mais conhecidas são Worldpackers, Workaway e Wwoof, a última focada principalmente em projetos ecológicos.

Sagrada Familia, Barcelona, Espanha

Nada também impede de oferecer sua habilidades para lugares que precisam de uma ajuda. Fazer amigos pelo mundo também abre portas em vários lugares, mas se for se hospedar na casa de algum amigo lembre-se de contribuir com algo, ao menos a cerveja!

Como foi subir o maior vulcão ativo da Europa de madrugada

Por Maria Fernanda Romero

O maior vulcão ativo da Europa, o Teide, fica em Tenerife, parte das Ilhas Canárias, o arquipelago Espanhol localizado mais próximo da costa africana do que da Europa. Tenerife é uma das ilhas mais bonitas e exóticas do oceano atlântico, além disso é um ótimo destino para fugir do frio na Europa. Vou contar um pouquinho como foi minha experiência nas trilhas e percursos de Tenerife e como subir o Teide sem pagar nada.

tres planos, vulcão no fundo, rochas na frente e areia e predras em primeiro plano revelando um ambiente árido
El Teide, o maior vulcão ativo da Europa

Parque Nacional do Teide

O Parque Nacional do Teide têm várias opções de trilhas e para quem gosta de fazer longas caminhadas é um ótimo lugar para explorar por mais de um dia. E sei que parece irresistível acampar nessas paisagens cinematográfica, mas não é permitido acampar no parque sem autorização prévia.

Para chegar no Parque Nacional do Teide de transporte público é preciso pegar o ônibus 348 na cidade Puerto de la Cruz que saí todos os dias às 9h15 da estação da cidade e volta às 16h do vulcão. Outra opção é pegar a linha 342, que saí da Costa Adeje, na Praia das Américas e volta às 15h40. Outra opção mais cômoda é alugar um carro em mais amigos. Nas Canárias a diária dos carros é a partir de 15€.

A opção mais barata é totalmente de graça é pegar carona. As estradas são tão lindas que vai valer a pena esperar um pouquinho por um carro. 

Rochas avermelhadas e negras em contraste com areia e o azul do céu
Rochas de diferente coloração completam a paisagem

Subindo o Teide

Subir o Teide é a principal atividade turística de Tenerife e pensando na preservação do vulcão é limitado o número de pessoas que podem entrar no parque a 200 por dia. Então é necessário reserva uma permissão no website do Parque Nacional. Entretanto, essa permissão só é válida das 9h às 17h, então se você quer saber como ver o sol se pondo ou nascendo lá de cima, fique atento no próximo item.

Para subir o Teide é possível pegar um teleférico pagando a partir de 30€, dependendo da data, então para subir de graça é preciso caminhar ! A trilha tem um total de 18 km, mas o pico tem 3.717,98 m de altitude! é bem alto. O pico mais alto da Espanha e o maior vulcão ativo da Europa. Isso exige um certo esforço físico. 

A trilha começa na Montanha Branca, na estrada TF-21, km 40,7. Para começar a trilha deve seguir o “Sendero número 7” . Depois de algumas horas de caminhada chegará ao “Refúgio de Altavista”, desse ponto até o teleférico passa pelo “sendero número 11”. A terceira etapa, do teleférico até o pico é o “sendero número 10” também chamado de “Telesforo Bravo”.

Trecho da trilha na Montanha Branca

Subir o Teide de Madrugada

Uma opção muito escolhida por mochileiros que querem subir de graça e fazer a trilha para ver o pôr-do-sol e principalmente o nascer do sol, como eu fiz, é subir o Teide de Madrugada. Eu cheguei na base da Montanha Branca às 2h e após quase 5 horas de caminhada estava no topo do vulcão. Cansada, mas muito realizada, vi o sol nascer no ponto mais alto da Espanha.

montanhas avermelhadas e a casinha de madeira do teleferico na motanha
Paisagens inospita do Vulcão

Como é preciso passar o ponto do teleférico antes das 9h, horário de abertura do parque e que o controle de pessoas começa ser válido, é bom começar a descida a partir das 8h. Outra opção é começar a subida às 16h e ver o pôr-do-sol lá de cima e voltar durante a noite. Lembrando que o pôr-do-sol na Europa é bem mais tarde no verão, é bom levar isso em consideração no planejamento da sua viagem. 

Outra opção é passar a noite no Refúgio de Altavista, localizado a 3260m de altitude é uma ótima opção para dormir e dividir a trilha em dois dias. Ainda de ser mais fácil para conseguir ver o amanhecer ou entardecer das alturas. O alojamento fica aberto para entrada das 17h às 22h e fecha às 7h30. É permitido ficar apenas uma noite no alojamento.

Cuidados Especiais

É uma trilha longa e levar água é essencial! Um lanche para a caminhada, como bananas e barras de ceral também vai ser uma boa quando você chegar lá em cima com fome. Outro item muito importante é a escolha de uma roupa calçado adequados. Leve um casaco! As temperaturas na montanha são extremas e de madrugada faz muito frio.

sol bem alaranjada, pois tinha acabado de nascer, em destaque da neblina cinza
Nascer do sol no topo do Teide
Por último, contemple a montanha! É uma emoção indescritível.

Malawi: O coração da África

Por Maria Fernanda Romero
Revisado Clara Porta Guimarães

Malawi, um pequeno e simpático país no sudoeste, ou melhor, bem no coração da África.O país é um destino ainda menos explorado pelo turismo que os seus vizinhos e por isso carrega muito da raiz e da simplicidade africana.

O Malawi foi um dos meus países preferidos do mundo

Assim como eu, outros viajantes compartilham dessa opinião. Kevin Dematteï, 26, viajante que atravessou a África do Egito até a África do Sul gostou muito da sua experiência no Malawi .“ É um mix perfeito de paisagens maravilhosas e pessoas incríveis”. Ele conta que conheceu pessoas muito hospitaleiras, que o receberam muito bem e que eram abertas aos estrangeiros.

“É um país muito harmônico, as pessoas sempre falavam comigo, no ônibus e na rua. O que eu mais gostava era da rotina de acordar, ir até a cidade falar com as pessoas e criar vínculos sem aquela mentalidade de dinheiro”. Kevin não sentiu que os locais tinham aquela intenção, que os habitantes de outros países mais populares têm, de sempre explorar o turista.

visão panoramica do Lago Malawi. Um dos maiores lagos do mundo localizado no sudoeste africano. Pedra em primeiro plano, à direita o verde e a esquerda o imenso lago
Lake Malawi

Lake Malawi

Um dos traços mais marcantes do país é o lago Malawi, em Kiswahili Niassa, que está entre os dez maiores lagos do mundo, sendo o terceiro maior da África. O lago se estende praticamente pelo país inteiro e também por uma parte dos territórios de Moçambique e da Tanzânia.

O mergulho no lago é uma das atrações principais do país. O lago possui uma imensa diversidade de espécies de ciclídeos, porém atenção: Para prevenir a contração vermes que vivem em água doce é recomendado tomar um remédio 6 semanas após o mergulho no lago. O viajante pode ir a qualquer farmácia do país e perguntar sobre o assunto.

Como cruzei a fronteira por terra pela Tanzânia, minha viagem começou ao norte do Malawi. Em Chitimba peguei o transporte para subir a montanha até a cidade Livingstonia, onde pude visitar a Mushroom Farm que, mais que uma fazenda, é um projeto de permacultura, eco educação e socialização com a comunidade.

Na fazenda tudo está em harmonia com a terra: o banheiro é de compostagem, os quartos são todos feito respeitando a bioconstrução e quase todos os ingredientes usados na cozinha são colhidos ali. Eles oferecem hospedagem em quartos e campings e o lucro é revertido para os projetos sociais, culturais e ecológicos da fazenda que englobam, entre outros, uma escola de enfermagem, capacitação para fazer artesanato e até uma hidrelétrica.

cachoeira em Livingstonia, Malawi. Foto com a vista de cima, na perspectiva da queda sob o verde
Livingstonia, Malawi

Durante a estadia em Livingstonia é possível conhecer todos esses projetos. A pequena vila, que tem uma linda universidade, museus e igrejas, também possui cachoeiras e trilhas incríveis com vista panorâmica para o Lago Malawi.

De Mushroom Farm fui para Nkhata Bay. Lá fica o porto onde é possível pegar o Ilala Ferry, um barco que atravessa o Lago Malawi de norte a sul uma vez por semana. É o meio de transporte principal dos locais e alguns viajantes escolhem se aventurar nessa jornada. Para saber mais informações sobre horários e duração da viagem, sugiro se informar diretamente no porto, pois é algo que muda muito.

Nkhata bay

Em Nkhata me hospedei na Mayoka Village. A estrutura do lugar é bem bacana, os os banheiros também são de compostagem, há caiaques à disposição e um restaurante que cada dia da semana oferece um jantar “temático” diferente . Rebeca Pessoa, 25, viajante, fez um voluntariado no Mayoka: “Eles me convidaram para fazer parte da família deles e foi exatamente como me senti lá: em família.”

Lago Malawi. Primeiro plano pedras com a sombra de uma escultura de uma mulher, lago cristalino no fundo
Nkhata Bay, Malawi

Nkhata Bay é uma comunidade de Malawianos e estrangeiros e, segundo Rebeca, tem o lago mais lindo que ela já viu. “Meu trabalho literalmente era conversar com os hóspedes, criar um ambiente confortável, e fazer eventos. Eu também fiz uns projetos de pintar placas para o menu e dei direções na rua. Todo dia eu comi comida deliciosa da cozinha de graça e muitas noites nós, voluntários, repartimos um brownie gigante com sorvete caseiro..”

Rebeca aproveitou muito seu período como voluntária. Todo dia nadou no lago e também fez alguns passeios de barco e aulas de yoga com os hóspedes. “Brinquei com as crianças, conversei com viajantes do mundo inteiro, bebemos, fumamos, dançamos debaixo da lua e do sol. Eu amei todo o staff de lá, os donos são pessoas muito generosas e simpáticas. Eu sinceramente saí de lá com uma nova família.”

Malawi Wawi

Kenda Beach, no litoral do lago, é outra praia famosa entre os viajantes. Porém o lugar que mais gostei da região foi Kapeska, onde conheci um projeto incrível de educação primária para as crianças da região, o Malawi Wawi. Tiwanee, a idealizadora e responsável pelo projeto, construiu a escola e também criou uma marca de roupas viabilizando uma forma de gerar renda para o projeto e empregar mulheres da região, que são as costureiras da marca. As peças de roupas são lindas, sustentáveis, únicas e trazem muito amor consigo.

Lilongwe é a capital do Malawi, mas não dei muitas chances para a cidade. Passei lá apenas para pegar ônibus para outros destinos, dentre os quais Monkey Bay, no sul do lago, a poucos quilômetros de Cape Maclear. Ambas são cidades do Parque Nacional do Lago Malawi, patrimônio da Unesco. Me hospedei no Musafa Ecolodge, mas nessa região o que não faltam são lugares para se hospedar.

praia formada pelo lago Malawi, barco em primeiro plano na areia com pedras e o lago ao fundo
Lake Malawi

Vale ressaltar que na África hostels não são muito comuns como na Europa e em outros lugares onde existem mochileiros. Lá existem quartos e albergues simples, ou lodges com opções de quartos individuais, compartilhados e camping. A opção mais barata é sempre camping, mas os quartos costumam equivaler aos preços dos hostels europeus.

No sul do Malawi está localizada a cidade mais industrializada do país: Blantyre. Lá se encontram grandes lojas, mercados, cinemas e restaurantes diversos. Da cidade também há transporte para cruzar a fronteira em direção a Moçambique e para ir ao Monte Mulanje.

Monte Mulanje

Vários mitos giram em torno do Monte Mulanje. Com 3.000 m de altitude, o Monte é o pico mais alto do Malawi. Segundo as lendas locais a montanha é habitada pelos espíritos dos antepassados dos habitantes da região, que decidem quem sobe e quem desce a montanha e que podem fazer uma pessoa desaparecer. Por esse motivo os locais fazem oferendas aos espíritos pela trilha.

Apesar dos contos assombrados, muitos montanhistas passam pelo Malawi e se aventuram pelo Mulanje, onde encontram vistas e cachoeiras deslumbrantes. Entretanto, o clima na região é muito instável, com muita neblina e essa seria uma explicação científica para o desaparecimento das pessoas na região.

Um economista e mochileiro brasileiro, Gabriel Buchmann, desapareceu e morreu na trilha do Monte Mulanje em 2009. Sua história inspirou o sensível filme Gabriel e a Montanha, premiado no Festival de Cannes em 2017.

menina entre as montanhas do Malawi em um dos picos mais alto da Africa
Rebeca durante subida ao Monte Mulanje

Gabriel subiu o Monte sem guia. Já Rebeca Pessoa passou o ano novo de 2019 subindo a montanha Mulanje com um guia e um carregador. “Eu levei uma mochila mais leve e o carregador levou a mais pesada com comida e materiais”. A caminhada durou 3 dias e no final Beca não achou tão difícil e acredita que poderia ter ido sem o carregador, mas não sem Harry, o guia. “Harry Naminga foi muito solícito e simpático comigo, sempre me deixando cômoda. Foi muito divertido passar os dias na natureza com eles, conhecendo uma parte de Malawi.”

acampamento raiz na montanha mulanje. mochilas ao lado dos viajantes e comida sendo cozinhada
Rebeca e amigos durante acampamento no Monte Mulanje

“No final nós não conseguimos subir até o pico por causa da chuva do dia anterior. O caminho é completamente feito de pedras, muito perigoso. Nós chegamos até onde foi possível e vimos uma vista até melhor do que no pico, porque de lá só dava para ver nuvens!”. Apesar de não chegar ao pico, a viajante amou o trekking e reforça que o mais bonito foi o caminho.

“Nós cruzamos rios e bebemos água deles, vimos vistas maravilhosas, deitamos embaixo de árvores diversas, conversamos, cozinhamos juntos na fogueira as comidas típicas do Malawi, como Nsima e folhas verdes. Cada noite ficamos em uma cabana diferente na rotina. As cabanas eram simples, mas que luxo dormir ao lado de uma fogueira em uma noite fria!”.

O clima na montanha muda muito. De noite faz muito calor e a noite faz bastante frio. Vale lembrar que o Malawi tem uma temporada de chuvas intensas e outra de seca. Outro filme muito bom, que retrata a realidade da população e as dificuldades de produzir alimento por causa desse clima é “O menino que descobriu o vento”.

Hoje o Mulanje é oficialmente uma reserva florestal, nomeada Patrimônio Mundial e está sob a proteção do Mountain Conservation Trust (MMCT).

Para quem quiser escalar o Mulanje com Harry Naminga o contato é +265 882857268

Como aprender idiomas viajando?

Por Maria Fernanda Romero

As línguas que aprendi na estrada

Não lembro qual foi a minha primeira palavra em italiano, mas sei que na primeira que ouvi, tive certeza que era a língua mais bonita do mundo. Na primeira vez que troquei trabalho por hospedagem, dividi quarto com uma italiana, que me deixou um livro. E mesmo sem entender muito bem o que estava escrito, lia e anotava trechos que me soavam como as poesias mais belas. Quis traduzir tudo que eu mesma já tinha escrito.


Em italiano, os versos simples teriam impacto. “A areia branca se desfaz em meu quintal, o branco, que nunca me canso, é invadido pela força do azul.”
Traduzi meu primeiro verso e decidi ir morar na Itália. Até dar para aprender uma língua pela internet, mas eu não tenho muita paciência para ficar muito tempo na frente do computador, ainda mais lendo aulas de italiano. Eu precisava ouvir.

Pantheon de Roma formado por um telhado triangular e colunas estilo greco-romano
Roma


Continuei lendo meu livro, assisti alguns filmes e quando cheguei na Itália, pelo menos achava que entendia tudo. Responder era uma grande mistura de portunhol e italiano. Mas eu estava me esforçando para melhorar. Repetia cada palavra nova dezenas de vezes como uma criança. Chegou um ponto que eu sabia me apresentar, falar sobre o que eu fazia e gostava, contar sobre meu dia e reclamar da chuva, mas não sabia as coisas mais básicas, como os pronomes, o gênero das palavras, as cores… Falar comigo devia ser engraçado. Eu era aquele gringo que fala “O casa é bonito”. Eu fui persistente, se me respondiam em outra língua, continuava respondendo em italiano.

ilha vista de cima, mar muito azul e verde ao redor
Taormina

Tudo era bonito, mesmo falando errado. Quando meu chefe pediu para tirar a “spazzatura” a primeira vez, eu pensei que era algum elogio, alguma pessoa, alguma referência. Foi difícil aceitar que uma palavra tão bonita, era como eles se referiam ao lixo. Com o tempo, fui percebendo as variações de sotaques e dialetos e achei o italiano, na verdade, um pouco melancólico. Alguma coisa naquelas linhas daquele livro, me davam vontade de chorar, me lembravam da dor. Talvez aquelas palavras traduzem muito bem a minha dor, de uma forma aparentemente bela.

cadeados em primeiro plano, mar do lado de fora de uma grade e um castelo de fundo
Napoli

“il cuore si scioglieva in un immenso dolore per le sofferenze che avevano involontariamente inflitto. Spesso volano intorno come mosche e sono innumerevoli…”

Il Sogno, Émile Zola

ALGUMAS DICAS QUE TORNARAM MINHA VIDA MAIS FÁCIL NA ITÁLIA

A primeira é claro: fique longe de brasileiros e se junte com os locais. Ouvir italiano foi o que de fato me ajudou a assimilar tudo que eu estudava.

Filmes, livros e séries são excelentes, mas existem muitos aplicativos que também ajudam na gramática e vocabulário! Eu adoro o Duolingue.

Outra dica, que ao menos comigo funcionou, fou ler jornal! Todos os dias eu abria os principais portais de noticías do país e a estrutura familiar da notícia me fez entender bastante a dinâmica da língua.

Não tenha medo de errar!

Aprender uma nova língua é quase como voltar a ser criança. Não tenha medo de falar errado, fale, tente e tente até conseguir!

vulcão etna marrom, com texturas e nuvens cobrindo o céu azul
Vulcão Etna

Afrika Burn: Desafiando o deserto

Por Maria Fernanda Romero
Revisão Clara Porta Guimarães

AFRIKA BURN

O AfrikaBurn não é um festival.  É um evento colaborativo, um experimento social, uma expressão da contracultura. No evento não existe dinheiro. Os participantes constroem toda uma metrópole: campings, bares, cozinhas, veículos mutantes, pistas de dança e até a decoração e as esculturas de arte que são queimadas durante a semana.

BURNING MAN

O AfrikaBurn é inspirado no Burning Man, realizado anualmente em Nevada, Estados Unidos, desde 1986. O Burning Man dura uma semana e tem um público bem mais vasto que o AfrikaBurn, chegando a atrair até 50 mil pessoas todo ano. O evento chama “homem em chamas” porque no último dia uma escultura em formato de homem é queimada.

O deserto de Tankwa, África do Sul

No AfrikaBurn acontecem queimas de todas as esculturas e até dos palcos. As queimas sempre têm um propósito, seja ele uma reflexão ou uma comemoração. Algumas são em homenagem aos criadores do Burning Man.

OS PRINCÍPIOS 

Os burnings pelo mundo são baseados em 10 princípios. O principal é não existir dinheiro. Tudo é troca ou presente. Apesar disso há uma incoerência, pois para participar de campings temáticos as pessoas devem fazer uma alta colaboração financeira. Ao mesmo tempo, é verdade que os camping temáticos proporcionam uma festa à parte: decorações impecáveis, vivências, jantares e alguns deles até oferecem palestras e aulas de yoga. Então, para quem busca uma estrutura maior dentro do festival, os valores cobrados são justificáveis. 

Outro princípio importante do evento é não deixar nada para trás. Você deve levar absolutamente TUDO que for consumir (a não ser que fique em um camping temático), desde água, fogo, até as refeições e bebidas alcoólicas. No festival a única coisa que se vende é gelo por duas horas ao dia. Além disso, no fim do festival, você deve levar TUDO de volta com você. Nem um plástico pode ser deixado para trás. Os outros princípios giram em torno da liberdade, da auto expressão, de fazer valer o “aqui e agora” e de participação.

Todos podem ser voluntários e trabalhar em alguma área do festival. O instinto de comunidade também é reforçado, além de se presentear sem esperar algo em troca. E o presente dado nem sempre é algo material. Nos Burnings todos oferecem alguma coisa. Eu ofereci fotografia e algumas garrafas de gin e ganhei um corte de cabelo ali no deserto.

O AfrikaBurn tem ainda um décimo primeiro princípio adicional: ensinar o outro. Um princípio que também reforça o instinto de comunidade.

Meus dias no AfrikaBurn

Teimosa, achei que não precisava de ninguém para ir ao deserto. Consegui uma carona de Cape Town e achei que chegaria no festival com 60 litros de água, sem camping, sem sombra, sem uma proteção do vento (e tem cada tempestade de areia nesse deserto…) e tudo ficaria bem. 

Dois dias antes do Burn, uma amiga que conheci cinco meses antes me ligou e disse que alugaria um carro para ir e que compraria materiais para construir uma espécie de vila. Eu fiquei animada para vê-la, mas estava sem dinheiro e achava que não precisaria de nada. Falei para ela me encontrar no hostel que eu estaria em Cape Town para a gente sair mais ou menos juntas e acampar perto.

E foi essa a minha sorte! Logo no primeiro dia, uma tempestade de vento quase destruiu minha barraca, se não fosse o carro da minha amiga, a barraca teria virado pó. Me rendi. Não dava para ficar sozinha no deserto. E o evento é exatamente sobre isso! 

Lá fiz meu eneagrama, desenhei e pintei, escrevi cartas e cartões-postais (tinha um correio na festa e eu sou louca por cartões-postais!), tirei muitas fotos, aprendi sobre ritmos africanos, dancei, me surpreendi a todo momento com a beleza da natureza e com as alegorias do evento.

O deserto é desafiador – até fisicamente. Não é uma experiência das mais confortáveis, mas é isso que a torna uma vivência enriquecedora e especial do começo ao fim.

DICAS PARA O AFRIKABURN

  • Vá em grupo
  • Leve muita água, inclusive para o banho
  • Leve alguma proteção para o vento, por exemplo uma lona
  •  A noite faz muito frio! Leve roupa de frio!
  • Prepara seu presente com carinho!
  • APROVEITE O MOMENTO PRESENTE!



Zanzibar: Ilha paradisíaca no leste africano

Por Maria Fernanda Romero
Revisão Clara Porta Guimarães

Imagine uma ilha paradisíaca na costa da Tanzânia, na África Oriental. O que vem à sua cabeça? Pense em um mar claro, vegetação verde viva, frutas doces, especiarias várias… cúrcuma, cravo, canela… e o cheiro delas mesclado com a maresia.

Pense em uma população bem humorada, em canções em swahili, em flores cor-de-rosa. Tudo isso poderia definir Zanzibar, mas ainda seria muito pouco considerando tudo que essa ilha pode oferecer.

coqueiro em praia paradisiaca na ilha de Zanzibar na tanzania
Kizimkazi


Como chegar em Zanzibar?


O aeroporto da ilha é super pequeno. Mesmo assim, lá chegam vôos de diversos lugares do mundo. Outra opção para acessar a ilha, é pegar a balsa em Dar Es Salaam, a ex-capital da Tanzânia. A travessia custa 35 usd.

Para entrar na Tanzânia é necessário um visto no valor de 50 usd e um comprovante de vacina de febre amarela. O visto é obtido na entrada do país, tanto no aeroporto de Zanzibar, quanto no aeroporto de Dar Es Salaam, e também nas fronteiras terrestres.

O que fazer em Zanzibar?


Todas as praias da ilha são excelentes e todas têm sua particularidade. No sul, a tábua da maré varia tanto que às vezes parece uma praia deserta, sem mar, e, horas depois, o mar sobe até as casas construídas na frente da praia.

Kizimkazi é o extremo sul da ilha e é muito tranquilo. Não há muito turismo, como em outras partes de Zanzibar e a vila local é habitada por pescadores. Ali se observa uma forma de viver bem simples e tranquila. Vale muito a pena.

mar azul, areia e conchas em praia da ilha paradisiaca de Zanzibar
Jambiani


De Kizimkazi saem passeios para ver e até nadar com golfinhos:

MAS ATENÇÃO

descobri um pouco tarde demais que o barulho dos barcos (e saem muitos barcos) atrapalha a ecolocalização dos golfinhos, isto é, a capacidade deles de se localizar através do som. Isso é extremamente estressante e prejudicial para eles, por isso, recomendo buscar um barco a vela para ir visitá-los. Além disso, o melhor é fazer esse passeio o mais cedo possível, porque barcos e turistas saem de todas as partes da ilha em busca dos golfinhos.

Em Kizimkazi também fica a Promised Land, um lodge e restaurante super aconchegante, com uma vibe de paz de espírito e um reggae tocando ao fundo. Um ótimo lugar para descansar, tomar uma cerveja e ver o maravilhoso pôr-do-sol.



Também vale a pena subir a ilha e visitar as praias de Jambiani e Paje. Lá o mar tem o mesmo tom azul-esverdeado das praias ao sul, porém há muito mais vento, o que torna Paje um dos principais points de Kitesurf de toda ilha. Jambiani também é especial pela presença dos “red monkeys”, uma espécie de macacos ameaçada de extinção. Um dos únicos lugares em que eles ainda podem ser vistos, é Zanzibar. Outro lugar da ilha em que os red monkeys, assim com outras espécies de macacos estão presentes é o parque nacional Jozani Chwaka Bay. A entrada custa 8 usd.

A Chwaka Bay, ao norte de Paje e ao centro da ilha, é onde fica o famoso restaurante The Rock. Sinceramente, foi a minha única decepção em Zanzibar. O restaurante fica no meio do mar e para acessá-lo é necessário pegar um barco ou esperar a maré baixar. Além disso o restaurante é absurdamente caro e as porções são minúsculas. Um passeio extremamente caro, turístico e pouco relevante para a experiência como um todo.

Um destaque da costa leste são as praias Kiwengwa e Matemwe. Já o norte da ilha é muito mais famoso e turístico que o sul e existe uma razão para isso: a água do mar ao norte, tem um tom de azul turquesa que eu nunca tinha visto antes na vida.

pôr-do-sol maravilhoso na praia de Kizimkazi, ilha paradisiaca de Zanzibar
Kizimkazi

Areia fina, água turquesa, uma maré que não varia tanto… Não é surpresa que a praia de Nungwi, no extremo norte da ilha, se tornou a mais famosa! E por isso, o que não falta por lá são restaurantes, hotéis e festas. Gostei muito dos restaurantes Coco Cabana, Mama Mia e Coccobello. Também gostei da festa da lua cheia em Kendwa Rocks.

No norte da ilha também tem muitas opções de mergulho e snorkeling. A ilha de Tumbatu é deslumbrante, com uma vida marinha exuberante, muitos corais coloridos, peixes e estrelas do mar.

Na costa oeste, tem as “Spices Farms”, as fazendas com plantações dos temperos mágicos da ilha. Um tour por ali vale muito a pena, principalmente para quem gosta de cozinhar. Os valores dos passeios variam muito, porque encontrar quem te leve nessas fazendas é algo que se faz através do boca a boca e de contatos. Meu tour custou 5 usd.

Lua cheia no ceu azul no norte da ilha de Zanzibar
Lua cheia



O centro antigo da ilha, conhecido como Stone Town, é uma atração além das praias. Foi ali que Freddie Mercury, astro principal da banda Queen morou com sua família. Hoje a casa dele é um hotel e só pode ser visitada por fora.

Zanzibar teve muita influência árabe. E isso se manifesta na cultura, língua e arquitetura da ilha. As vielas e arcos de Stone Town são um retrato disso. Considerado patrimônio da Unesco, o centro de Zanzibar tem muitas construções e prédios importantes e cheios de história. Alguns deles são o museu “Beit el-Ajaib”, o antigo forte e a catedral anglicana, construída no local do maior mercado de escravos, fazendo-nos lembrar e refletir sobre a tristeza e as injustiças da escravatura.


De Stone Town também saem barcos para Prison Island, onde tem tartarugas gigantes de até 100 anos de idade. Também é possível ir para Nakupenda beach. Essas viagens custam cerca de 15usd

Para se locomover de norte a sul na ilha é um pouco complicado, pois as estradas são péssimas e o táxi é caríssimo. O transporte local é o dala dala, e andar nele é uma aventura à parte, mas que faz parte da experiência, além de ajudar muito na economia da ilha. De qualquer forma, recomendo organizar muito bem os passeios, e até dividir as hospedagens para não perder tempo e energia com os deslocamentos.

transporte local da Tanzânia, o dala dala
Dala dala


O que comer em Zanzibar?

Frutas. Muitas frutas. A ilha tropical é rica em todas as frutas imagináveis, como o nosso país, Brasil. Só que lá eles as usam muito na preparação das refeições todas. Há muitos pratos com banana e muitos com coco, que é utilizado até no feijão. Água de coco também é abundante, além, claro, de pratos com as especiarias da ilha, que são muitas.

Em Zanzibar ficam algumas das praias mais incríveis que eu já vi na vida. Lá tem muita dança, alegria, cultura, diversidade e tantas outras coisas que não são possíveis descrever. Isso é Zanzibar.

Lake Nakuru: Desbravando um safári no Quênia

Por Maria Fernanda Romero
Revisão Clara Guimarães

OS SAFÁRIS MAIS FAMOSOS DO MUNDO

No Quênia fica um dos safáris mais conhecidos do mundo: O Masai Mara Safari. Os pacotes para visita são caros: custam a partir de $300. Por isso, quando me decidi por fazer um safári, acabei escolhendo outro, que também não deixou nem um pouco a desejar.

Nakuru fica na região do Rift Valley, uma fenda causada pelo movimento de placas tectônicas e que vai desde o mar morto, na Líbia, até Moçambique. São mais de 6 mil quilômetros de fenda. Por ali, encontram-se vulcões inativos como o Mount Kenya, o Mount Longonot e o Mount Kulal, e diversos lagos, dentre os quais o Lake Nakuru, onde fiz o meu safári.

céu azul e nuvens no rift valley no Kenya. Montanhas verdes no horizonte, e natureza  em destaque, na fenda africana.
Rift Valley

O SAFÁRIA NO LAGO NAKURU

O Parque Nacional Lake Nakuru abriga centenas de espécies animais, como zebras, girafas, gazelas, javalis, rinocerontes, búfalos e inúmeras espécies de aves, inclusive os flamingos rosas, que colorem o lago de forma espetacular. A entrada do parque custa 80 dólares, mas como é preciso entrar com carro e guia, o preço acaba aumentando. No total, paguei $180.

Para ir ao safári, me levantei antes do sol nascer. Saí de Nairóbi, capital do Quênia, um pouco antes das 6h da manhã e às 10h já estava na entrada do Parque Nacional Lake Nakuru. Os primeiros animais que eu vi foram as zebras. Que vontade de fazer carinho! Elas pareciam tão alegres e tranquilas. Um pouco mais a frente estavam os búfalos. Eles já tem uma expressão mais séria. São grandes e robustos. O que me surpreendeu muito foi que, junto a eles estavam as garças, estas tão frágeis! Eles conviviam em plena harmonia. Na verdade, mais que harmonia, a relação ecológica desses animais é o mutualismo: uma relação da qual duas espécies se beneficiam sem serem necessariamente dependentes uma da outra.


bufáfos, flamicos, garças e outras aves no Lake Nakuru, Kenya
Lake Nakuru

As girafas também estavam lá. Comiam tranquilas, sem se preocupar com mais nada. Descobri que, pela sua cor, é possível saber seu sexo: os tons de laranja mais escuro são os machos, enquanto as mais claras são fêmeas. Outra curiosidade interessante sobre essas simpáticas pescoçudas é que elas quase não dormem e o cochilo é de pé. O nosso guia também reforçou o quanto a memória delas é boa.

No reino dos impalas não existe monogamia. Um macho pode ter até 40 fêmeas e elas o seguem por toda parte. Quando um macho quer o rebanho de outro, eles se enfrentam e o que matar o concorrente fica com todas as fêmeas.


girafa no lake nakuru, safãri do Kenya
Girafa
Búfalo e garças em Safari no lago Nakuru no Kenya
Búfalo

Na beira do lago, os flamingos fazem o maior espetáculo. O seu rosa se destaca no azul do lago, formando um cenário de filme da disney. Ali também há pelicanos, mas são as aves coloridas e elegantes e delicadas que roubam a cena. Outra “estrela” de Nakuru é o rinoceronte, um dos “big-five” (leão, elefante, búfalo, leopardo e rinoceronte.) Atualmente ameaçados de extinção, eles ficam protegidos dentro do parque.

ALIMENTAÇÃO DURANTE O SAFÁRIA


As refeições estão inclusas nos pacotes de safári. A nossa foi excelente: uma salada e uma sopa de verduras de entrada, uma massa como prato principal e uma sobremesa maravilhosa – uma espécie de bolo mousse de chocolate com laranja. Não passei a noite no parque, mas diferentes tipos de hospedagem são oferecidas e, mesmos as mais simples, chamadas de “tendas”, são bem equipadas e completas.


zebra no lake nakuru, safãria no Kenya
Zebra
tres flamicos rosas no lago Nakuru, no Kenya
Lago Nakuru

A experiência de fazer um safári, só me fez ainda mais amante da natureza. Observar os animais em total harmonia e equilíbrio me trouxe uma paz inexplicável. Realmente, a natureza é perfeita.

Nairóbi, uma capital de contrastes

Por Maria Fernanda Romero
Revisão Clara Porta Guimarães

Nairóbi não era nada mais do que um grande pântano até o fim do século XIX. Antes, a capital do Quênia era Mombasa. Isso até os ingleses construírem a linha de trem que liga Mombasa à Uganda, que é, até hoje, um dos trechos mais importantes para o comércio na região. Como Nairobi está localizada entre Mombasa e Kampala, a capital da Uganda, acabou sendo o local que os trabalhadores escolheram para se instalar.  A partir de então, foi crescendo até se tornar a metrópole que é hoje. A atual capital do Quênia é a sexta cidade mais rica da África e a maior entre Cairo e Johannesburgo.

Por causa das chuvas constantes e da temperatura que varia de muito calor de dia a um frio quase agradável de noite, Nairóbi é muito rica em natureza e em vegetação: uma capital muito verde ao redor dos carros e prédios.


menina alimentando Girafa em Nairóbi, capital do Quênia
Giraffe Centes

É também uma cidade de contrastes: um lado da cidade é muito rico, com hotéis, escritórios, prédios gigantes, cinemas, shoppings e muitas lojas de marca. Já no outro lado a miséria é escancarada. Kibera, a maior favela da África, está localizada ali.

O centro da cidade chega a me lembrar São Paulo. A River Road, avenida principal e também terminal dos matatus (o transporte local), pode ser comparada à 25 de Março. Lá é possível encontrar todos os tipos de estabelecimentos, e principalmente “barraquinhas” e comércios de rua. Tudo por um preço bem acessível. É confuso e bagunçado, mas é onde tudo acontece.


silhueta de homem, fumaça, restos de lixo e arvores
Queimando o lixo em Nairóbi

O que fazer em Nairóbi

Museu Nacional

O Museu Nacional de Nairóbi merece uma tarde inteira reservada só para ele. Ali é possível conhecer a história das mais de 40 tribos que formam a identidade queniana, assim como a história do Quênia desde sua colonização até a recente independência, em 1963.

O museu também conta com exposições de arte rupestre, fósseis de origem humana, exposições sobre mamíferos, vida aquática e também sobre a vida das aves. Além de tudo isso, há um parque de cobras na frente do museu. A entrada para o museu custa KES 1.800 incluindo o parque das cobras. A visita ao museu sem passar pelo parque custa KES 1.200.

KES é o código para a moeda do Quênia, o shilling queniano. Cem shillings quenianos valem um dólar, ou 27 shillings valem um real

foto em preto em branco, fotos antigas no contorno de uma escada no Museu Nacional de Nairóbi
Museu Nacional

Giraffe Center e Giraffe Manor

O Centro de Girafas de Nairóbi é um santuário de girafas. Quatro das nove espécies de girafas que existem no mundo estão no Quênia, dentre as quais a Rothschild, que está ameaçada de extinção. É por esse motivo que o santuário existe. Lá as girafas são cuidadas enquanto bebês e aos 3 anos de idade, já adultas, são reinseridas em parques nacionais da região oeste do país e da Uganda.

No centro é possível observar as girafas Rothschild, alimentá-las e também aprender muito sobre a vida delas. Ali há também um centro de educação ambiental que tem como principal objetivo conscientizar os visitantes sobre a importância da preservação ambiental.

Ao lado do centro de girafas está o Giraffe Manor, um hotel cinco estrelas, onde é possível se hospedar e interagir com as Rothschild. A entrada para centro custa KES 1.000,00.

Kenyatta International Conference Center

O Kenyatta International Conference Center é maior prédio público da cidade e o terceiro maior do Quênia. Tem 28 andares e uma vista panorâmica para toda a cidade. Um moderno centro comercial, com bancos, escritórios e também conferências. O rooftop é aberto ao público e custa KES 500.

Parque Nacional de Nairóbi

O único parque nacional dentro de um perímetro urbano do mundo, o Parque Nacional de Nairóbi oferece aos visitantes a possibilidade de vivenciar a natureza plena e harmônica. Algumas das espécies que podem ser vistas ali são: hipopótamos, gazelas, leões, zebras, girafas, búfalos, guepardos e leopardos, além de centenas de espécies de aves.

A entrada do parque para turistas é de 60 dólares e é necessário ter um carro para visitar. Pacotes a partir de 100 dólares ao dia são oferecidos por diferentes agências de turismo.


Zebra comendo no Kenya
Zebra comendo

O que comer em Nairóbi

A comida tradicional do Quênia lembra um pouco a comida brasileira. Ugali é uma massa de milho que lembra o arroz, mas com uma consistência diferente. O feijão também é muito comum, principalmente acompanhado de couve. Ghiteri é outro prato típico com feijão, batata e milho. O Chapati, um tipo de pão, também é muito comum por aqui.

Como toda grande metrópole, Nairóbi oferece comida de todos os tipos. De comida japonesa a culinária etíope. A área de Westlands oferece muitas opções de bares e restaurantes. Os mais famosos da cidades são: o Mediterraneo, que serve comida italiana; o Hashmi, uma churrascaria indiana; o Sarabi, que é um bar e restaurante dentro de um hotel; e o Talisman, que é um restaurante de comida variada, mas principalmente do Oriente Médio.

Para a vida noturna, Nairóbi também tem opções de bares e baladas. Conheci algumas como a Black Diamond, Alchemist, Brew Bistro, K1 Klub House e o Kengeles Bar.


pulseiras, missangas e outros artesanatos no tradicional Masai Market em Nairóbi, capital do Kenya
Masai Market

Em Nairóbi vale a pena também checar o Masai Market.Como já citado anteriormente, o Quênia é formado por mais de 40 tribos. A mais populosa delas é a Kikuyo, mas a mais famosa é a Maasai. Uma das características da cultura Masai é a cor vermelha, mas as vestimentas vão muito além disso. O mercado acontece todos os dias em um ponto diferente da cidade. Lá é possível encontrar diferentes tipos de artesanato, roupas e peças da cultura masai e aprender um pouco sobre ela.

Nairóbi é uma metrópole multicultural com muitos contrastes e opções de entretenimento e história. Muito indicado pra quem quer conhecer mais sobre o Quênia e entender um pouco sobre a África.



Aportando no Quênia pelo paraíso em Mombasa

Por Maria Fernanda Romero
Revisão Clara Porta Guimarães

A cidade litorânea mais importante do Quênia pode servir de ponto de partida para quem quer viajar pela costa do país africano. O porto de Mombasa é o mais importante da África Oriental. O centro histórico da cidade pode ser um pouco confuso, mas é uma aventura desbravar suas ruas e mercados. É um passeio muito válido para quem tem disposição e vontade de conhecer algo diferente.

O QUE FAZER EM MOMBASA

A visita ao centro histórico pode começar pela escultura Mombasa Tuks. Passando por ela, há diversos mercados de artesanato, frutas, especiarias e o tradicional Fish Market. O mercado mais famoso da cidade é o Marikiti.


tuk tuk amarelo em Mombasa
Tuk tuk em Mombasa

No século XI, Mombasa foi descrita pelas Crônicas Árabes como a residência do rei dos africanos negros. Posteriormente se converteu em um importante assentamento de árabes. Pela posição privilegiada, era um ponto crucial na rota do comércio entre a África e a Índia.

Os portugueses foram os primeiro europeus que chegaram em Mombasa, no século XVI. Numa tentativa de acabar com o monopólio árabe, atacaram a cidade e a deixaram destruída. Houve diversos conflitos na região e, em 1593, os portugueses construíram o Forte Jesus, que hoje está aberto para visitas e é um dos destaques da cidade. Ainda assim, os portugueses nunca conseguiram de fato consolidar a sua hegemonia. Primeiro, porque os habitantes de Mombasa sempre foram resistentes, mas também, porque, anos depois, holandeses, franceses e ingleses entraram na disputa pela influência no Oceano Índico.


homem com camisa do Brasil e aborbora cortada na mao. Atras cestas de limao.
Mercado Marikiti

Forte Jesus

O forte Jesus é agora um museu considerado Patrimônio Mundial pela UNESCO. Lá é contada a história da influência portuguesa em Mombasa e das batalhas que ocorreram na região. O museu fica aberto todo dia das 8h às 18h. O valor para não-residentes é de 1200 shillings quenianos.

Praias

O melhor da cidade são as praias. Tanto a costa norte como a costa sul são deslumbrantes. A praia de Diani, na costa sul, é considerada uma das mais bonitas do país. As águas claras e a areia branca e seu contraste com as cabanas de palha, contribuem para a impressão de se estar num cenário de filme. Para chegar até a praia de Diani é preciso pegar a balsa em Mombasa. A praia têm acessos públicos e privados por resorts ou por “beaches clubs”. Alguns pedem uma taxa para entrar, outros você só paga se consumir. Eu entrei pelo Bidi Badu Beach Resort e lá só se pagava o que se consumia. Achei os preços justos em relação à média do país. Na praia de Diani também é possível mergulhar: o mergulho é uma das principais atrações turísticas do lugar, assim como o kitesurf.


Praia. 3 menino em primeiro plano  em segundo plano barco. muito azul
Nyali Beach

A praia de Nyali também não ficou muito para trás no quesito “deslumbre”. É mais acessível do que a praia de Diani e também tem um mar de cor exuberante. Ali é preciso ter atenção com a tábua da maré. O mar vai chegando aos poucos na praia e, mais ou menos às 17h fica perfeito para entrar na água e mergulhar. No mesmo esquema de acesso que a praia de Diani, entrei pelo Reef Hotel, que compreende, no seu conjunto, o Moonshine: um bar restaurante muito agradável com vista para o mar.

Do lado norte, os destaques ficam com Kilifi. É uma praia mais tranquila e menos conhecida que as anteriores, onde a natureza predomina. Outra praia de mergulho muito famosa é Watamu, que fica a 150km de Mombasa. Há também Malindi frequentada principalmente por italianos e Lamu, uma praia em que predomina a população árabe. Em Lamu tem os famosos Dhow – uma espécie de barquinhos a vela. Os passeios valem muito a pena.


camelo na praia
Nyali Beach

Lugares  para comer

A comida típica da região é principalmente Ugali, um tipo de pasta de arroz, feijão, chapati e carne. A comida é simples, e confesso que nem sempre me agrada. Mas achei alguns restaurantes que incrementam a comida local com a culinária extrangeira. Gostei muito do restaurante Blue Room, no centro da cidade, mas, principalmente, do Punta Cana na praia de Nyali. Em Mombasa também existe o famoso Hard Rock Café.

Nos países do oriente que já visitei, percebi um costume de barganhar por preços, ou seja, sempre que te falam o preço de um produto ou serviço, é preciso negociar e renegociar até chegar ao seu valor real. No Quênia isso me incomoda um pouco, pois é necessário barganhar até o preço do Uber. Então a dica é: tenha paciência.


casas de palha e mar em praia no litoral do Kenya
Dinai Beach

Outra recomendação é sempre pesquisar sobre a situação atual do país antes de agendar uma viagem para lá, pois existe a possibilidade de conflitos na região.

Uma mistura bem napolitana: lendas, histórias e comidas

Por Maria Fernanda Romero
Revisão Clara Porta Guimarães

Nápoles é mais uma cidade do sul da Itália que bem que poderia estar na América do Sul. Desorganizada, caótica e com trânsito, a cidade da pizza também é conhecida pela suas belezas naturais. Às margens do mediterrâneo e perto de um dos maiores vulcões ativos da Europa, Nápoles também tem muitos mistérios.

prédios coloridos, mar azul, pedras e ondas batendo
Nápoles

O QUE FAZER EM NÁPOLES

A Piazza Dante é uma das praças centrais da cidade. Ali é um bom ponto de partida para começar explorar a região: além de estar bem perto do emblemático Museu Arqueológico Nacional, um dos museus mais importantes da Europa, a piazza também fica perto do centro histórico da cidade.

A rua principal do centro histórico é apelidada de “Spaccanapoli”, em italiano “Divisor de Nápoles”, pois olhando de cima, parece que a rua literalmente divide a cidade. Ela vai da Piazza del Gesù Nuovo até a Piazza San Domenico Maggiore.

No centro histórico de Nápoles é possível encontrar tudo aquilo que temos no nosso imaginário sobre os italianos: os varais que cruzam as ruas, as pessoas gritando e gesticulando, bagunça, igrejas maravilhosas e muita pizza e massa.

IGREJA E MURAL NO TETO



Comi as melhores pizzas da minha vida na cidade. A pizzeria mais famosa é a  L’Antica Pizzeria Da Michele, que, inclusive, está no filme Comer, Rezar e Amar. Mas todos as pizzerias da região são maravilhosas.

A viagem valeria a pena só pela pizza. Entretanto, fui me envolvendo pela cidade a cada segundo. As igrejas são maravilhosas. O Duomo di San Gennaro é a principal Catedral da cidade. Lá está o sangue do santo padroeiro da cidade e duas vezes por ano acontece a sua “liquefação”. De denso, o sangue do Bispo se torna fluido e traz toda uma comoção na cidade.

VARAL ENTRE PRÉDIOS EM NAPOLES
Centro Storico

Descobri que o napolitano acredita muito em lendas. Eles também têm uma outra relação com a morte: uma fé um pouco mística. Além das lendas relacionadas a San Gennaro e a “liquefação” do sangue, há também uma lenda sobre cuidar dos restos mortais de desconhecidos, para que virem protetores dos seus cuidadores quando saírem do purgatório. Na Igreja di Santa Maria delle Anime del Purgatorio ad Arco é possível aprender um pouco sobre essas lendas e também ver alguns esqueletos. A entrada é gratuita, mas é necessário pagar 6€ para ver os esqueletos.
Outra igreja que vale uma visita é o Pio Monte Della Misericordia, onde fica um vitral pintado por Caravaggio. Para entrar na igreja, é necessário pagar 7€.

Na frente da Igreja di Santa Maria delle Anime del Purgatorio ad Arco fica outro museu importante para a cidade: o Napoli Sotterranea.  Lá é possível visitar escavações, passagens secretas, catacumbas, aquedutos e todas as ruínas dos templos greco-romanos que existiam ali. O ingresso custa 10€.

A via San Gregorio Armeno é outro ícone do centro histórico. O ano inteiro há uma exposição de presépios em tamanho real. É muito bonito e colorido.

CASTELO DELL OVO E MAR EM BAIRRO TRADICIONAL NAPOLITANO
Castell dell´Ovo

Saindo do Centro histórico em direção ao mar,  passando pelo Quartieri Spagnoli, chega-se ao Castel Nuovo, uma fortaleza medieval e museu de arte. A entrada custa 6€. Ao lado do museu fica a Piazza del Plebiscito, onde está o Palácio Real e, há alguns metros de distância, a Galleria Umberto I, um centro comercial com uma arquitetura chamativa e imponente.

Continuando até o mar, encontramos também o Castel dell’Ovo, guardião de outra lenda da cidade. O poeta Virgílio teria escondido ali um ovo mágico que manteria em pé toda a fortaleza. Se um dia o ovo quebrar, não só o castelo cairá como uma série de catástrofes acontecerão à cidade.

Vulcão Vésuvio
Vulcão Vésuvio