Vila Rica de Ouro Preto

Por Maria Fernanda Romero

Ao chegar na primeira capital de Minas Gerais, Vila Rica de Ouro Preto, logo me deparei com ruelas estreitas, casarões enormes, ruas de paralelepípedos e imensas  ladeiras. Foi amor à primeira vista. Tudo era lindo, mas ao mesmo tempo denso. Era como estar em um filme de época, mas com as pessoas da atualidade.

HISTÓRIA DE OURO PRETO

Ouro Preto surgiu quando aventureiros e bandeirantes descobriram que era possível extrair ouro na região. A história da cidade é marcada por guerras pelo ouro que dali brotava. É uma história pesada. Além das guerras pelo território e da escravidão, foi lá que ocorreu a Inconfidência Mineira em 1789, uma revolta similar à Revolução Francesa que ocorre no mesmo ano. Por ter traído a Coroa portuguesa, Joaquim José da Silva Xavier (o Tiradentes ), líder do movimento, é decapitado na praça pública que hoje é conhecida como Praça Tiradentes. 

igreja na praça central de ouro preto, em minas gerais
Ouro Preto

Mesmo com o declínio da mineração, a capital de Minas Gerais continuou sendo Vila Rica até 1897, quando é transferida para Belo Horizonte. Essa transferência de capital freou o desenvolvimento industrial da cidade, porém isso a tornou especial.  Em 1980 Ouro Preto é tombada pela UNESCO como Patrimônio Cultural da Humanidade.

O que fazer em Ouro Preto:

O centro histórico de Ouro Preto é incrível. Casas e igrejas em estilo barroco, construídas com muito ouro, muitas delas por Aleijadinho, podem ser visitadas em toda a região. Nos arredores da Praça Tiradentes também estão os museus que contam todas as histórias da cidade: O Museu da Inconfidência, a Casa dos Contos e o Museu do Aleijadinho são alguns deles.

Igreja colorida na praça em Ouro Preto
Ouro Preto

O que fazer em Ouro Preto:

O centro histórico de Ouro Preto é incrível. Casas e igrejas em estilo barroco, construídas com muito ouro, muitas delas por Aleijadinho, podem ser visitadas em toda a região. Nos arredores da Praça Tiradentes também estão os museus que contam todas as histórias da cidade: O Museu da Inconfidência, a Casa dos Contos e o Museu do Aleijadinho são alguns deles.

A Escola de Minas de Ouro Preto incrível inaugurada em 1839 foi a primeira Escola de Farmácia da América Latina. Desde a década de 1960, integra a Universidade Federal de Ouro Preto e também funciona como museu. Lá estão expostas as mais diversas pedras e minérios do mundo e também explicações sobre o funcionamento da mineração e extração de minérios.

praça tiradentes. casas coloridas, ceu azul, pessoas caminhando por ouro preto
Praça Tiradentes, Ouro Preto

Na Rua dos Bancos, também no centro, é possível visitar a Casa de Tiradentes e ainda comer muito bem no restaurante O Sótão. A comida mineira é maravilhosa. Qualquer restaurante é incrível, mas o Acaso 85, no Largo Rosário, além de oferecer comida boa é um ponto turístico especial, pois as ruas estreitas, as igrejas, e a arquitetura se assemelham as cidades portuguesas. 

Não foi só a aparência da cidade que me transportou para outros séculos. Ouro Preto não tem cinemas grandes em que passam os filmes hollywoodianos. O Cine Vila Rica é alternativo e, por uma ironia quase metafórica, assisti Cinema Paradiso (1988), quando estive lá.

casaroes, restaurantes e bandeira do Brasil em Ouro Preto
Rua dos Bancos, Ouro Preto

 

As festas típicas e o Carnaval também são atrações de Ouro Preto. Outra possibilidade para sair à noite são as festas nas Repúblicas: os casarões, onde os universitários moram e também servem como palco para diversas festas.

Natureza em Ouro Preto

Para equilibrar o clima denso de uma cidade marcada com tanto sangue, o Parque Itacolomi e a Cachoeira das Andorinhas são lugares de fácil acesso com uma vista incrível. Se estiver de carro, é possível desbravar os distritos de Chapada de Ouro Preto e Novas Larvas.

cachoeira de agua clara na Chapada de Ouro Preto
Cachoeira do Castelinho- Chapada de Ouro Preto
cachoeira de água azul na Chapada de Ouro Preto
Cachoeira do Castelinho- Chapada de Ouro Preto

Minas:

 Há inúmeras minas desativadas em Ouro Preto. É possível visitar algumas delas, como a Mina Du Veloso e a Mina do Chico Rei, e entender um pouco do que elas significaram para o Brasil. Estive na Mina Du Veloso. Lá embaixo é frio. Frio e sombrio. Não porque faltam luzes, mas sim porque lembra a dor.

As Minas foram pensadas por escravos que já tinham experiência em extrair ouro. É muito triste saber que o homem usou o conhecimentos e a força de outros homens para enriquecer. Ao mesmo tempo, é muito interessante observar a tecnologia que esses escravos desenvolveram, como tubos de ventilação, reservatórios de água e mesmo as minas em si, que estão até hoje intactas: Tudo foi muito bem estruturado. Porém é um absurdo saber que o lucro esteve, e ainda está acima da vida.

Mina desativada em Ouro Preto
Mina Du Veloso, Ouro Preto
Mina desativada em Ouro Preto
Mina Du Veloso, Ouro Preto
pedaço de minerio dentro de mina desativada em Ouro Preto
Mina Du Veloso, Ouro Preto

Ainda há atividade mineradora em Minas Gerais. Empresas como a Samarco e a Vale exploram as regiões sem respeito com o meio ambiente ou com a vida. Em um passado não tão distante, duas barragens da Samarco romperam em Mariana. A mineradora não foi penalizada como deveria e está prestes a voltar à atividade.

É impossível estar em Ouro Preto e não se atentar a essas e tantas outras questões do Brasil. Entender o passado também é entender o presente e essa cidade é assim: passado, presente, injustiças, beleza, luta, natureza. Ouro Preto é um destino indispensável a todos que passam por Minas Gerais.

 

Aiuruoca, a casa do papagaio

O QUE FAZER EM AIUROUCA

Seguindo pela Estrada Real no Estado de Minas Gerais, após o município de Baependi, está localizada a Serra do Papagaio, onde fica Aiuruoca, que em tupi significa casa do papagaio.

As estradas de terra do Parque Estadual da Serra do Papagaio nos reservam um visual deslumbrante, de montanhas infinitas. O clima é de paz e sinal de celular é algo raro. Em um entardecer de outono resolvi seguir as montanhas até o fim, encontrei um pedaço  do paraíso.

cachoeira, verde de fundo e uma queda grande
Cachoeira dos Garcias-Aiuruoca

Poucas vozes, o maior barulho era da Cachoeira dos Garcias. O vento gélido das montanhas da Serra da Mantiqueira me faziam implorar por uma lareira. O Casal Garcia foi o lugar, que escolhi para me abrigar. Por lá permaneci durante quatro dias.

Além da Cachoeira dos Garcias, o Parque Estadual da Serra do Papagaio, abriga o Pico do Papagaio. Chegar lá não é fácil. Uma caminhada de quase quatro horas para chegar a 2.105 metros de altitude. Além disso, a trilha não é sinalizada, ou seja, é muito fácil se perder, o recomendado é ir acompanhado de um guia.O poço Joaquim Bernardo também fica no Parque. Seu acesso é mais fácil, que os pontos anteriores.

cachoeira de queda grande e refrescante

Seguindo pela estrada, a pequena cidade de Aiuruoca é habitada por 6.257 pessoas. A cidade também faz parte das Sete Cidades Sagradas de Minas. Pouso Alto, Itanhandú, Carmo de Minas, Maria da Fé, São Tomé das Letras, Conceição do Rio Verde e Aiuruoca formam são tais cidades sagradas, elas formam a Constelação de Órion.

No centro da cidade, outra estrada de terra leva ao vale do Matutu, cabeças sagradas em tupi. O vale do Matutu é uma comunidade, que visa a preservação do meio ambiente. No caminho para Matutu fica a Cachoeira Deus-Me-Livre. Já em Matutu, Um casarão de 1904, patrimônio histórico de Aiuruoca. Lá se pode conhecer mais sobre a história da cidade e sobre a Associação dos Moradores e Amigos do Matutu (AMA).

sensacional queda dágua no sul de minas gerais

VALE DO MATUTU

No vale do Matutu mais cachoeiras maravilhosas. As cachoeiras das Fadas e dos Macacos são as mais famosas. No povoado também há muita comida boa. Produção de cerveja, cachaça, queijo e geleia artesanal. Comer bem, estar em paz e em contato com a natureza e belas paisagens, essa é a Casa do Papagaio.

pôr-do-sol na serra da mantiqueira. Montanhas, ceu laranja e muito verde
pôr-do-sol na serra da mantiqueira

PULSAR: Permita seu coração sentir

Por Maria Fernanda Romero

FESTIVAL DE CULTURAS ALTERNATIVAS

Logo na entrada do distrito de Ipoema, Itabira, em Minas Gerais, uma placa indicava o caminho da Terceira Edição do Festival de Arte, Cultura e Sustentabilidade, PULSAR. Também se referia a ele como “Amigo da Natureza”. Isso porquê o festival teve apoio do  CODEMA, Conselho Municipal do Meio Ambiente, para sua realização.

Municipio de cachoeira alta, em ipoema, muito verde e uma queda dagua maravilhosa
Cachoeira Alta Ipoema

pista principal do festival de culturas alternativas pulsar
Pista Principal

chill out do festival de culturas alternativas pulsar
Chill Out

pista tranquila do festival de culturas alternativas pulsar
Chill Out

As estruturas, feitas de bamboo, combinadas com uma decoração de outra dimensão, demarcavam as áreas do festival: Pista Principal, Chill Out, Área de Cura, ResPire Redução de Danos e Praça de Alimentação. O Festival situado dentro do Parque Estadual Mata do Limoeira    tinha acesso a uma cachoeira, Cachoeira Alta, de uma queda de 110 metros.

noite de lua crescente, luz e sombra e no fundo a pista chill out do festival de culturas alternativas pulsar
Chill Out

equipe de redução de danos do festival de culturas alternativas pulsar
ResPire Redução de Danos

A Pista Principal era um portal. Até o bar fazia parte da decoração. Projeções, luzes negras e intervenções pirofágicas faziam a mágica acontecer. O Line up também estava impecável. A produção pensou em duas coisas fundamentais: a abertura, com Disfunction, e o encerramento com Kernel Panic. Nenhum dia deixou a desejar. Elowinz, Derango, Giuseppe, Sator Arepo, Farebi Jalebi, Impertinent, Chromatec, Megalopsy foram alguns dos nomes que se apresentaram na festa. Amantes do high BPM do mundo inteiro se impressionaram com as apresentações.

pista de dança do festival de culturas alternativas
Pista Principal

psicodelia na pista principal do festival pulsar
Pista Principal

pista principal e psicodelia. luz negra e cores brilhantes
Pista Principal

Na Área de Cura, além das medicinas alternativas, foram ministradas palestras sobre permacultura e ecologia. O local era um espaço perfeito para descansar e se conectar com uma energia renovada. O papel do Coletivo ResPire também foi fundamental na festa. Um local seguro para informação e discussões sobre o tema de Drogas e Redução de Danos, sem descriminalizar o usuário.

sapo gigante era a estrutura da area de cura do festival pulsar
Área de Cura

O PULSAR encanta e surpreende o público a cada ano. A única reclamação de muitos foi em relação a portaria da festa, e o fato de precisar do ingresso impresso. De resto, a festa deixa saudades e a certeza de que a cena cresce, com muita qualidade, cada vez mais no Brasil.

São Thomé dos Quartzos

A misteriosa cidade mineira

 São Thomé das Letras, está a 1.444 metros de altitude e localizada na Serra da Mantiqueira. Todo o chão, assim como a maioria das casas da cidade é feito de quartzito, arenito e calcário. A preservação dos quartzos é um dos charmes da cidade, porém não é só isso. A natureza exuberante e o misticismo atraem milhares de turistas à São Thomé todos os anos.

Lendas urbanas explicam, que o nome São Thomé das Letras surgiu da história de um escravo, que se apaixonou pela irmã de seu senhor. Também há inscrições rupestres na gruta da cidade, onde permanecia a estátua de São Tomé. Para mim “São Thomé dos Quartzos” parece mais apropriado, uma vez que a linda cidadela foi construída sobre um depósito mineral de quartzito, mais conhecida como “pedra de São Thomé”.

montanhas, por do sol e natureza em Minas Gerais
Vista da Serra da Mantiqueira

Pedra de São Thomé em montanha na cidade mineira
Pedra de São Thomé

pedras de sao thome, na ladeira da cidade mineira
Pedreira de Sobradinho

Assim como todo o rico estado de Minas Gerais, São Thomé foi muito explorada pelos bandeirantes. A extração das “pedras de são tomé” foi a principal atividade econômica da cidade por muitos anos. A pedreira, apesar de gerar empregos para os moradores da região, tem um impacto ambiental muito negativo, e hoje em dia moradores e turistas zelam para uma economia, que não degrade tanto o meio ambiente.

O QUE FAZER EM SÃO THOMÉ

A cidade também é um ponto energético da Terra, pelas presenças de tais quartzos o local exala uma energia telúrica, que atraí místicos, pesquisadores científicos e curiosos. Um dos pontos em que essa energia pode ser observada é na Ladeira do Amendoim.

A Ladeira fica na estrade de Três Corações para São Thomé, antes de chegar na cidade. Lá é possível observar carros sendo atraído para cima da ladeira, desafiando a gravidade. Guias explicas que é devido o magnetismo do local. Ainda antes de chegar à cidade, outro ponto que vale a pena visitar é a Cachoeira das Fadas.

cachoeira em sao thome das letras
Cachoeira Eubióse

poço em Sobradinho, Minas gerais. agua azul e clara
Poço da Jade- Sobradinho

cachoeira em sobradinho, minas gerais
Cachoeira do Sobradinho

cachoeira em sao thome das letras
Cachoeira Eubióse

São Thomé é uma cidade pequena, e tudo pode ser feito a pé. Na praça central ficam a Igreja Matriz e a Gruta. Subindo a rua o mais incrível: a Pedreira ou Parque Municipal Antônio Rosa. Na Pedreira ficam a Pirâmide, a Pedra da Bruxa e o Mirante, ambos com uma panorâmica impressionante para toda a Serra da Mantiqueira, além de nascer e pôr-do-sol de tirar o fôlego.

À caminho de Sobradinho, ao lado esquerdo está a cachoeiras da Lua. Virando no Bar do Johnny estão as cachoeiras Eubióse, Flário, Véu da Noiva entre outras. Em Sobradinho estão os lugares que eu mais gostei. Gruta e cachoeira do Sobradinho, Gruta do Labirinto, Gruta da Bruxa e o Pico do Gavião, todas as grutas precisam do acompanhamento de um guia.

piramide em sao thome, muito famosa pra apreciar o por do sol
Pirâmide em São Thomé

piramide em sao thome. Melhor vista da cidade
Mirante

piramide em sao thome. Melhor vista da cidade
Pirâmide

por do sol maravilhoso em sao thome das letras.

SPankartz a bioarquitetura psicodélica ousada

A Spankartz é uma empresa de bioarquitetura diferente de qualquer outra. Proporcionar uma realidade lúdica é algo ainda longe da arquitetura convencional. As cores e curvas, que encontram as pessoas, formam a nova e sustentável forma de arquitetura, que proporciona conforto e segurança para as pessoas.

Por trás das tendas psicodélicas que encantam festas trance pelo mundo, a Spankartz surpreende mais a cada trabalho. A marca foi criada por Rodrigo Gonzalez,30, que decidiu trabalhar com uma realidade diferenciada, após passar por um período de luto. Gonzalez prova para o mundo que, a criatividade é essencial para qualquer projeto de sucesso.”Eu tinha boas ideias e meu medo era de não ter pessoas que as realizassem comigo, então montei meu próprio grupo e comecei a colocar em prática.”

Com Bamboo ou Eucalipto, cordas e lycra, Rodrigo e sua equipe constroem pistas inusitadas e principalmente bonitas, apesar disso, o empresário não se vê como decorador. “Eu faço instalações fundamentais, que hoje em dia engloba decoração”.

A primeira vez que o grupo chamou atenção foi no Pulsar 2015. A “grande Aranha” foi o palco do Chill Out da festa mineira e impressionou até os mais antigos frequentadores da cena. “O Pulsar foi diferente de tudo, estudei aquela técnica por 3 anos”, conta Rodrigo “Nós nos espelhamos em núcleos maiores para fazer um bom festival, priorizando o bem-estar dos funcionários e investindo em uma boa área de alimentação e descanso.”

No ano seguinte, a SPankatz foi convidada para participar da montagem do Boom, em Portugal. A experiência foi incrível, afinal não poderia ser diferente,  os maiores e melhores núcleos de todo o mundo estavam reunidos compartilhando ideias, informações, experiências e sonhos.

A montagem da primeira edição do festival Kamala, no Uruguai, também foi feita pelo núcleo, que mais uma vez ousou nas técnicas. “Usamos um poste suspenso com cabeamento de aço. A técnica é de uma crew americana e aprendi no Boom.” A festa portuguesa contou com 32 postes suspensos. “Aqui tem apenas um, mas já é um desafio para nós.”

Foi a primeira vez que, um poste suspenso foi usado em um projeto de Gonzalez. a ideia não estava no projeto original, mas quando um integrante da crew americana viu o projeto do colega brasileiro, deu a seguinte sugestão.

Além do trance, as construções são uma nova forma de arquitetura, que além de limpa e sustentável, monta e desmonta com facilidade, não devasta o solo e a mata entorno e são muito resistentes a vento e chuva. Rodrigo enxerga um futuro de possibilidades, e um deles, é construir abrigos, por exemplo, para imigrantes.

Os desafios são grandes, mas com humildade, coragem e comprometimento, a SPankartz promete vencê-los todos.

 

Versão reduzida da entrevista realizada com Rodrigo Gonzalez no Uruguay

SPANKARTZ: ARTE E BIOARQUITETURA

Rodrigo Gonzalez & SPANKARTZ A/I: Uma nova possibilidade a cada projeto

Spankartz A/I é um grupo de bioarquitetura e design diferenciado. “Proporcionamos uma realidade lúdica para as pessoas que é algo que está distante da arquitetura convencional-reta.”, diz Gonzalez, o idealizador do núcleo.

Rodrigo Gonzalez e sua equipe constroem pistas, palcos, áreas de descanso, portais, galerias de artes e áreas funcionais inusitadas e muito encantadoras. Com cores, técnicas, formas e sustentabilidade criam uma nova forma de arquitetura, que proporciona, para o público de festivais de música e encontros alternativos, sombra conforto, abrigo além de muita segurança. Mesmo assim o idealizador não se vê como decorador: “Eu faço estruturas funcionais de uso coletivo, que hoje em dia são vistas como instalações decorativas nos festivais.”.

spank8
Lugar, onde Rodrigo cria todos seus projetos

sp 9
Foto: reprodução

A Spankartz  está em ativa desde 2015 surpreende mais a cada estrutura apresentada. Paulistano frequentador da cena desde 2000, que decidido a conquistar uma nova realidade através das artes, após um período de luto e reflexão deu início em 2011 aos aprendizados com bioconstrução, arquiterura e permacultura, visando criar estruturas com materiais naturais e tecidos. “Eu tinha muitas ideias mas também muito receio de não ter um time para realizá-las comigo, então iniciei uma busca sendo muitas vezes voluntário em alguns festivais e assim encontrando as pessoas certas que hoje fazem parte do núcleo”. Gonzalez prova para todos que criatividade somada ao amor pelo trabalho é essencial para que um projeto seja de sucesso.

O primeiro grande destaque do núcleo foi no Festival Pulsar 2015. “Fui convidado para criar o time que atuaria em campo, pensei no que seria o melhor para o acontecimento então convoquei amigos de sete estados, com os quais já havia trabalhado em diferentes situações para realizar aquele sonho chamado Pulsar.”, conta Rodrigo. A grande “Aranha“ foi o palco desenvolvido para atender o espaço denominado Molecular Stage do festival, que acontece em Minas Gerais. Impressionando até os mais antigos frequentadores da cena trance nacional, sua forma era mais orgânica assim fora do habitual visto atualmente. “Pulsar foi diferente de tudo até aquele momento, estudei a técnica utilizada no Molecular Stage desde o primeiro contato com festivais que foi no festival AHO litoral paulista em 2012, de lá pra cá foram três anos de estudos.”,diz Gonzalez.

spankt.jpg
Molecular Stage Pulsar 2015- Foto reprodução facebook.com/pg/pulsarfestival.art

Logo na sequência SpankartZ foi convidada para participar de projetos em 4 festivais na Europa: Goa Gil DE, Fusion e Freqs of Nature, ambos na Alemanha, e a primeira edição do WAO Festival na Itália,onde Rodrigo considera ter concluído seu maior desafio até então, construindo uma cúpula com arcos de bamboo a 8 metros de altura. Este trabalho foi realizado em conjunto com a crew Free Optics responsável pela decoração da estrutura.

spankartz 2
Foto reprodução

spanktarz 4
Foto reprodução

spanksts 7
Foto reprodução

Já em 2016 Rodrigo Gonzalez foi convidado para participar de um dos maiores festivais de música & conhecimentos do mundo o “Boom Festival”, em Portugal. A experiência não podia ser mais do que surpreendente para ele com os melhores grupos do globo reunidos para compartilhar idéias, informações, experiências e sonhos.

Recentemente foi convidado para o Festival KAMALA, realizado no Uruguay terra natal de sua família. Ousou ao apresentar uma nova técnica que vai para seu currículo. “Usamos um poste central suspenso por cabos de aço técnica que aprendi com a crew americana DoLab no Boom”.

spankartz 5
Foto: reprodução

spankartz1
Foto: reprodução

Agora além do cenário de festivais nacionais e internacionais a SpankartZ visa novos caminhos para as construções, como compartilhamento de conhecimento em workshops e estudos, que remetem a uma nova forma de arquitetura mesclando conhecimentos ancestrais à técnicas contemporâneas. Além de limpa, sustentável, prática e de menor impacto no local instalado, é também resistentes ao vento e a chuva.

Rodrigo Gonzalez enxerga um futuro de possibilidades para o grupo, um deles é construção de abrigos para uso coletivo em situações extremas, por exemplo, para refugiados ou desabrigados, vítimas de desastres naturais, guerras entre outros acontecimentos. O desafio é grande e são muitas as barreiras para contornar e concluir cada objetivo do grupo mas com força, humildade e determinação a SpankartZ busca o equilíbrio entre diversão, conhecimento e trabalho para alcançar suas metas.

O refúgio dos leões marinhos

Cabo Polônio: um paraíso Uruguaio

Cabo Polônio é um pedaço de terra no meio de um mar bravo, que se quebra em grandes rochas. Sua geografia, perigosa para os navegantes do século XVIII, causou muitos acidentes aos aventureiros que ousaram tentar chegar à região. O mais famoso e que batizou o balneário é o náufrago do capitão espanhol Joseph Pollonio.

dois caminhoes que fazem a travessia para Cabo polonio
Cabo Polônio

O povoado uruguaio está no Departamento de Rocha a 260 km de Montevídeo e sua área é protegida e declarada Reserva Natural da Biosfera pela UNESCO. Esse fator faz com que seja proibido o ingresso de carros particulares no balneário. Há 7 km do centrinho há uma portaria e de lá saem caminhões 4×4 que te levam a Cabo Polônio de fato.

Os caminhões saem algumas vezes por dia, porém sempre bom verificar no site das Rutas del Sol, o valor em março de 2017 estava 500 pesos ida e volta. Os 7 km de trajeto são em dunas desérticas e uma paisagem totalmente virgem. Outra forma (muito) mais difícil de chegar em Cabo Polônio é caminhando pelas Dunas da cidade vizinha, Valizas.

caminhoes que fazem a travessia de cabo polonio no uruguay
Cabo Polônio

A península de Cabo Polônio

A península é muito especial por diversos motivos. Existem duas praias que a cercam, a playa Sur e a playa de la Caravela a primeira é totalmente deserta com apenas algumas casinhas, do melhor estilo uruguaio, simples, planas, com grandes janelas e cores claras.

pedras, mar, casas lindas em uma das melhores praias uruguaias
Cabo Polônio

A playa de la Caravela tem o Farol de Cabo Polônio, para subir no farol o valor é 25 pesos. A subida de 750m não é muito difícil e o visual vale muito a pena. Na base do farol uma incrível costeira, onde leões e lobos marinhos passam os verões curtindo. No inverno os animais migram para uma pequena ilha que fica em frente ao farol. Em outubro também é comum a presença de algumas especíe de baleias no local, assim como golfinhos.

farol de cabo polonio
Farol

espaco de leoes marinhos em cabo polonio
Loberia

A população fixa do vilarejo é  pequena e composta principalmente por artesões, e pescadores. Cabo Polonio não tem rede elétrica e nem asfalto. Algumas casas usam energia solar para esquentar a água, geradores também são comum, principalmente nas noites de verão, quando os barzinhos locais viram pequenos clubes de dança.

Todos esses motivos tornam o refúgio dos animais marinhos tão especial, mas o principal motivo é a plenitude que o lugar traz. Não há uma pessoa que não sinta uma estranha sensação de estar vivendo em outro tempo durante a estadia em Cabo Polonio. Só vivendo para entender.